Revisão veicular, o primeiro passo antes das viagens de férias

A temporada de férias está chegando. Aos poucos, 2014 vai se despedindo e os planos para as viagens de fim de ano começam a sair do papel. Mas antes de pegar a estrada, seja qual for o ano do seu automóvel, um dos itens essenciais é a revisão veicular. Afinal, ninguém merece ficar parado no acostamento, sob o sol escaldante, à espera do guincho.

De acordo com o consultor técnico da Tuper Escapamentos e Catalisadores, Salvador Parisi, a melhor recomendação para quem vai sair de férias ou aproveitar feriados prolongados é levar o veículo a uma oficina de confiança.

“Cada modelo tem sua particularidade e o profissional responsável pelo serviço deve conhecer todos os detalhes. Normalmente, a manutenção preventiva é dividida por sistemas como arrefecimento, lubrificação, suspensão, freio, ar condicionado, câmbio, iluminação, sinalização, exaustão e alimentação de combustível”, comenta.

Considerada a forma mais barata de manter o carro em bom estado, pois custa menos do que a manutenção corretiva e valoriza o veículo, a manutenção preventiva também garante a tranquilidade necessária à viagem. “A principal vantagem é a segurança.

Um simples coxim quebrado pode fazer com que o escapamento se solte, caia na rodovia e cause um grave acidente caso a peça atinja o veículo que vem logo atrás. Tentar desviar de peças perdidas na estrada também traz riscos de capotamento”, alerta Parisi.

O consultor técnico da Tuper Escapamentos e Catalisadores lembra que o sistema de exaustão é um dos pontos fundamentais na hora da revisão. “Um motor com problemas no sistema de exaustão vai comprometer o meio ambiente, aumentar o consumo de combustível e provocar a perda de potência, além de desvalorizar o automóvel”, avisa. As falhas no sistema de exaustão também podem danificar outros sistemas.

O motor em funcionamento produz gases que precisam ser conduzidos para a atmosfera de forma controlada. “Esse controle é feito pelo sistema de exaustão juntamente com o catalisador. Além de colaborar para a diminuição do ruído produzido pela combustão, o catalisador transforma os gases nocivos em gases não tóxicos. Caso o catalisador apresente alguma anomalia, isso irá impedir a saída dos gases e pode levar à parada total do motor”, alerta Parisi.

Outra dica para quem vai pegar a estrada é dirigir com cuidado, já que as lombadas, buracos e ondulações no asfalto podem afetar a vida útil das peças. Caso seja necessário fazer a substituição de qualquer componente, certifique-se sobre a procedência e a qualidade do produto. Os catalisadores fabricados pela Tuper, por exemplo, seguem a Portaria 282/2008 do Inmetro, o que garante a conformidade do produto e os requisitos necessários para a saúde e segurança dos usuários.

- Publicidade - Cursos Mecânica Online®