domingo , 17 dezembro 2017
ACELERANDO
Capa » Engenharia » Estudantes do Nordeste se preparam para a 23ª Competição Baja SAE BRASIL
Estudantes do Nordeste se preparam para a 23ª Competição Baja SAE BRASIL

Estudantes do Nordeste se preparam para a 23ª Competição Baja SAE BRASIL

Universitários de 14 instituições de ensino superior de sete Estados do Nordeste estão na reta final para a 23ª Competição Baja SAE BRASIL, de 9 a 12 de março, em São José dos Campos-SP. São 15 as equipes inscritas, quatro delas de Pernambuco, Estado vice-campeão na competição de 2016.

Bahia e Rio Grande do Norte inscreveram três equipes cada um; Paraíba conta duas equipes e Maranhão e Piauí, uma equipe cada.

De âmbito nacional, a competição tem este ano, com 88 equipes inscritas e 1.836 estudantes de engenharia e professores (orientadores) de todas as regiões do Brasil, número recorde em sua história.

Cada equipe trabalha no desenvolvimento e construção de um veículo off road (Baja SAE), que será submetido a avaliações estáticas e dinâmicas durante a competição.

As três instituições de ensino que alcançarem as melhores pontuações na soma geral de todas as provas poderão representar o Brasil na Baja SAE Kansas, que será realizada de 25 a 28 de maio, em Pittsburgh, EUA.

Alagoas – Única representante do Estado, a equipe Bode Guerreiro Baja, da Faculdade Pitágoras (Maceió), apostou na otimização dos sistemas de tração e suspensão e também na redução de peso do protótipo.

“Esperamos ficar entre os 20 primeiros colocados”, diz Tarcísio Dantas, capitão da equipe, que usou metodologias, como a FMEA (Failure Modes and, Effects Analysis) para identificar potenciais modos de falha e avaliar riscos no projeto do carro. “O projeto está mais produtivo e com custos reduzidos”, aponta Tarcísio.

Bahia – Veterana na Baja SAE BRASIL (participa desde 2001), a equipe Carpoeira Baja, da Universidade Federal da Bahia, investiu na redução de massa do protótipo OGUM, para ganhar velocidade.

“Utilizamos PET na carenagem, substituindo o PVC, para dar um caráter sustentável ao projeto”, explica o capitão Lucas Calmon dos Santos, 28 anos, 4º semestre de engenharia mecânica. Para obter leveza, os componentes foram redimensionados. O consumo foi mapeado e a aerodinâmica otimizada.

Maranhão – Na expectativa de boa classificação a equipe Bumba Meu Baja, da Universidade Estadual do Maranhão, participa da competição pela 5ª vez.

Para isso, desenvolveu nova estrutura para o chassi e remodelou a suspensão do carro, além apostar em nova caixa de transmissão e na eletrônica.

O time, composto por 16 estudantes, usou tubos de aço cromo molibdênio, liga mais resistente que o aço-carbono que facilita construção de estruturas com menor espessura, mais leves, e chapas de alumínio.

“Confiamos em nossas pesquisas e estamos testando o carro continuamente”, diz Heloyane Bezerra, 24 anos, estudante do 8º período, do curso engenharia mecânica.

Paraíba – Composta por 20 estudantes, a equipe Parahybaja, da Universidade Federal de Campina Grande, aponta como diferenciais do projeto a manobrabilidade e a robustez dos elementos da suspensão, além da eletrônica embarcada acompanhada de telemetria, botão de emergência no volante e comunicação via rádio entre equipe e piloto.

“Melhoramos a geometria de suspensão e direção por meio de software CAD/CAE para reduzir esforços de esterçamento, garantir estabilidade dinâmica e conforto operacional”, detalha Fábio Kayk Ribeiro, 23 anos, 9º período de engenharia mecânica. A equipe também estuda solução para amenizar o efeito da vibração do motor no chassi do carro.

Pernambuco – Com 13 estudantes, a equipe Bajagreste, do Instituto Federal de Pernambuco, é estreante na competição nacional, mas participa da Etapa Nordeste desde 2014.

“É importante e o aprendizado é grande, sem falar da troca de informações com estudantes de fora”, declara o capitão da equipe, Lucas Henrique, 22 anos, 9° período de engenharia mecânica.

O protótipo foi totalmente modificado: o sistema de transmissão passou por redução linear de engrenagens de dentes retos para maior aceleração e agilidade do protótipo;

O sistema de suspensão traseiro Swing Axle foi substituído pelo Semi Trailing Arm para maior altura do assoalho em relação ao solo e minimização de efeitos negativos do modelo anterior; o chassi teve a estrutura modificada para maior rigidez e adequação ao piloto.

No quesito dirigibilidade, a distância entre eixos foi diminuída e a geometria de Ackerman otimizada.

O baja da equipe Corisco, da Universidade de Pernambuco, traz como diferenciais a suspensão swing axle, leve e de fácil construção; juntas universais projetadas pela equipe, GPS para aquisição de velocidade e mapeamento do trajeto; telemetria, sistema de armazenamento de dados com capacidade para 8 Gb e amortecedores pneumáticos reguláveis.

A equipe usou tecnologia laser e acelerômetro na construção do carro para obter qualidade no corte de chapas; e telemetria para aferição de aceleração e velocidade, com equipamentos desenvolvidos pelos estudantes, entre outras tecnologias.

O capitão Allan Rafael Santana, 22 anos, 8º período do curso de engenharia mecânica industrial, destaca a paixão pelo automobilismo e a vontade de aprender como as principais motivações da equipe, que espera alcançar a 8ª colocação em 2017.

Rio Grande do Norte – A equipe Cactus Baja, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, campus Mossoró (UFERSA), apostou na segurança e redução de peso do veículo, que teve o projeto redesenhado e carroceira construída em polipropileno cortado a laser, material de menor densidade, maior resistência ao impacto e de fácil moldagem, o que evita quebras na fixação.

“Começamos a participar em 2012 com melhores resultados a cada ano, nosso objetivo é o pódio em 2017. Para isso trabalhamos até nas férias”, afirma o capitão Diego Gomes de Assis, aluno do 6º período do curso Ciência e Tecnologia.

Na competição nacional pela primeira vez, a equipe Caraubaja SAE, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, campus Caraúbas, traz um protótipo que considera resistente.

“Esperamos cumprir todas as provas sem maiores danos ao veículo, nossa meta é conseguir classificação e participar de todas as provas, até o final do enduro”, diz a capitã Paula Rafaella.

Carros – Os veículos Baja SAE são protótipos de estrutura tubular em aço, monopostos, para uso fora de estrada, com quatro ou mais rodas e motor padrão de 10 HP, que devem ser capazes de transportar pilotos com até 1,90 m de altura, pesando até 113,4 kg.

Os sistemas de suspensão, transmissão e freios, assim como o próprio chassi, são projetados e construídos pelas equipes, que têm, ainda, a tarefa de buscar patrocínio para viabilizar o projeto.

“As competições estudantis da SAE BRASIL motivam os jovens à carreira de engenharia e lançam desafios encontrados na vida profissional que lhes possibilitam aplicar na prática o conhecimento acadêmico adquirido na sala de aula”, analisa Mauro Correia, presidente da SAE BRASIL.

23ª Competição Baja SAE BRASIL – 9 a 12 de março de 2017 – Av. Cesare Monsueto Giulio Lattes, s/n, Eugenio de Melo, São José dos Campos, ao lado da Fatec

PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

Dia 9 – 12h30 às 19h – Abastecimento, inspeções técnicas, re-check das inspeções técnicas e verificações de motor, conforto e freios.

Dia 10 – 9h às 19h – Abastecimento, inspeções técnicas, re-check das inspeções técnicas e verificações de motor, conforto e freios. 9h30 às 19h – Primeira fase de apresentação de projetos.

Dia 11 – 9h às 11h – Primeira fase de apresentação de projetos. 11h30 às 16h – Provas dinâmicas (capacidade de tração, aceleração e velocidade máxima, e “suspension and traction”) e repescagem de segurança. 11h30 às 17h30 – Repescagem de conforto. 11h30 às 18h30 – Repescagem de freios. 16h20 às 19h – Finais de apresentação de projetos. 19h – Briefing com pilotos.

Dia 12 – 9h15 – Formação da largada. 10h às 14h – Enduro de resistência. 15h – Encerramento

Equipes inscritas na 23ª Competição Baja SAE BRASIL

Total: 88 equipes inscritas • 18 Estados mais DF • 81 instituições de ensino
(em 2016 foram 74 equipes inscritas • 19 Estados mais DF • 68 instituições de ensino)
CENTRO-OESTE (2 Estados + DF – 5 equipes – 4 instituições)
Distrito Federal (1 equipe / 1 instituição)
Carro 33 – Equipe Piratas do Cerrado – Universidade de Brasília

Mato Grosso (1 equipe / 1 instituição)
Carro 62 – Equipe Bajacaré – Universidade Federal de Mato Grosso

Mato Grosso do Sul (3 equipes / 2 instituições)
Carro 25 – Equipe Baja Guaicurus – Universidade Federal da Grande Dourados
Carro 26 – Equipe BaGD – Universidade Federal da Grande Dourados
Carro 88 – Equipe Javalis Baja UCDB – Universidade Católica Dom Bosco
NORDESTE (7 Estados – 15 equipes – 14 instituições)
Alagoas (1 equipe / 1 instituição)
Carro 61 – Equipe Bode Guerreiro Baja – Faculdade Pitagoras Maceió

Bahia (3 equipes/ 3 instituições)
Carro 21 – Equipe Carpoeira Baja – Universidade Federal Da Bahia
Carro 70 – Equipe Äkupã – Universidade Salvador
Carro 75 – Equipe Baajatinga – Universidade Federal do Vale do São Francisco

Maranhão (1 equipe / 1 instituição)
Carro 46 – Equipe Bumba Meu Baja – Universidade Estadual do Maranhão

Paraíba (2 equipes/ 2 instituições)
Carro 32 – Equipe UFPBaja Inebriável – Universidade Federal da Paraíba
Carro 48 – Equipe Paraybaja – Universidade Federal de Campina Grande

Pernambuco (4 equipes/ 3 instituições)
Carro 3 – Equipe Mangue Baja 2 – Universidade Federal de Pernambuco
Carro 4 – Equipe Mangue Baja 1- Universidade Federal de Pernambuco
Carro 54 – Equipe Corisco – Universidade de Pernambuco
Carro 66 – Equipe Bajagreste – Instituto Federal de Pernambuco

Piauí (1 equipe/ 1 instituição)
Carro 53 – Equipe IFPI Baja SAE – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Rio Grande do Norte (3 equipes/ 3 instituições)
Carro 11 – Equipe Car-kará – Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Carro 15 – Equipe Cactus Baja – Universidade Federal Rural do Semi-Árido – Mossoró
Carro 82 – Equipe Caraubaja SAE – Universidade Federal Rural do Semi-Árido – Caraubas
NORTE (2 Estados – 3 equipes – 3 instituições)
Amazonas (1 equipe/ 1 instituição)
Carro 59 – Equipe Baja UEA – Universidade do Estado do Amazonas

Pará (2 equipes / 2 instituições)
Carro 63 – Equipe Baja Tucuruí – Universidade Federal do Pará
Carro 83 – Jambu Racing – Estácio de Belém
SUDESTE (4 Estados – 50 equipes – 45 instituições)
Estado de São Paulo (25 equipes/ 21 instituições)

Grande São Paulo – (15 equipes / 12 instituições)
Carro 1 – Equipe FEI Baja 02 – Centro Universitário da FEI
Carro 2 – Equipe FEI Baja 01 – Centro Universitário da FEI
Carro 6 – Equipe Poli Atlas – Escola Politécnica da USP
Carro 7 – Equipe Poli Cronos – Escola Politécnica da USP
Carro 20 – Equipe ITA Baja – Instituto Tecnológico de Aeronáutica
Carro 30 – Equipe Genau Baja – UFSCar Universidade Federal de São Carlos
Carro 35 – Equipe Baja UFABC – Fundação Universidade Federal do ABC
Carro 37 – Equipe BAJA Mauá 1 – Instituto Mauá de Tecnologia
Carro 38 – Equipe BAJA Maua 2 – Instituto Mauá de Tecnologia
Carro 45 – Equipe Fatecnólogos – Faculdade de Tecnologia de São Paulo
Carro 49 – Equipe FhoBaja – Fundação Hermínio Ometto
Carro 50 – Equipe Bajiganga – Universidade São Judas Tadeu
Carro 60 – Equipe Mack Gear – Instituto Presbiteriano Mackenzie
Carro 72 – Equipe Baja SAE Clarengex – Ação Educacional Claretiana
Carro 76 – Equipe Celeritas – Centro Universitário Salesiano de São Paulo

São Paulo / Interior – (10 equipes / 09 instituições)
Carro 17 – Equipe EESC USP 1 – Escola de Engenharia de São Carlos
Carro 18 – Equipe – EESC USP 2 – Escola de Engenharia de São Carlos
Carro 19 – Equipe – UNICAMP Baja SAE – Universidade Estadual de Campinas
Carro 31 – Equipe – EEP Baja – Escola de Engenharia de Piracicaba
Carro 51 – Equipe – PAC BAJA – Universidade Estadual Paulista – Bauru
Carro 55 – Equipe -Tec Ilha Baja – Universidade Estadual Paulista – Ilha Solteira
Carro 56 – Equipe – Piratas do Vale – Universidade Estadual Paulista – Guaratinguetá
Carro 57 – Equipe – Baja Mud Racing – Facens – Faculdade de Engenharia de Sorocaba
Carro 86 – Equipe TURUNA – Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos
Carro 87 – Equipe UNIFEB – Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos

Minas Gerais (12 equipes/ 12 instituições)
Carro 5 – Equipe Baja UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais
Carro 9 – Equipe Komiketo Baja – UFSJ – Universidade Federal de São João del Rei
Carro 22 – Equipe Zebu Baja – Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Carro 34 – Equipe Saci – Universidade Federal de Itajubá – Itajubá
Carro 39 – Equipe UFV Baja Pererecas – Universidade Federal de Viçosa – UFV
Carro 44 – Equipe Cefast Baja SAE – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais
Carro 65 – Equipe Camaleão – Centro Universitário Newton Paiva
Carro 67 – Equipe Espinhaço – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Carro 68 – Equipe Rampage Baja – UFJF – Universidade Federal de Juiz de Fora
Carro 71 – Equipe PUC-Minas Baja Racing Team – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Carro 81 – Equipe Mountain Baja – Universidade Federal de Itajubá – Itabira
Carro 85 – Equipe Cerrado de Baja SAE – Universidade Federal de Uberlândia

Rio de Janeiro (9 equipes/ 8 instituições)
Carro 23 – Equipe Mud Runner 2 – Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro
Carro 24 – Equipe Mud Runner 1 – Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro
Carro 27 – Equipe Minerva Baja – Universidade Federal do Rio de Janeiro
Carro 28 – Equipe UFF Baja – Universidade Federal Fluminense – Volta Redonda
Carro 40 – Equipe Tuffão Baja SAE – Universidade Federal Fluminense – Niterói
Carro 42 – Equipe Ali Babaja – Universidade Federal do Rio De Janeiro – Macaé
Carro 47 – Equipe Reptiles – Pontifícia Universidade Católica
Carro 52 – Equipe Caledônia Racing Baja SAE – Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Carro 80 – Equipe Ucam Baja – Universidade Candido Mendes

Espírito Santo (3 equipes/ 3 instituições)
Carro 13 – Equipe Vitória Baja – Universidade Federal do Espírito Santo
Carro 36 – Equipe FAESA Baja – Faculdades Integradas Espírito – Santenses
Carro 43 – Equipe SamaBAJA – Instituto Federal do Espírito Santo

SUL (3 Estados – 15 equipes – 15 instituições)

Santa Catarina (3 equipes / 3 instituições)
Carro 8 – Equipe UDESC Velociraptor Baja SAE – Universidade do Estado de Santa Catarina
Carro 10 – Equipe UFSC Baja SAE – Universidade Federal de Santa Catarina
Carro 73 – Equipe Unibaja Univille – Universidade da Região de Joinville
Rio Grande do Sul (4 equipes / 4 instituições)
Carro 12 – Equipe Baja de Galpão – UNISC Universidade de Santa Cruz do Sul
Carro 16 – Equipe Mas Baja Tchê – Fundação Universidade De Passo Fundo
Carro 58 – Equipe Bombaja UFSM- Universidade Federal de Santa Maria
Carro 69 – Equipe URI BAJA – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
Paraná (7 equipes / 7 instituições)
Carro 14 – Equipe UFPR Baja SAE Universidade Federal do Paraná
Carro 29 – Equipe Imperador Baja SAE – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Curitiba
Carro 41- Equipe – ProcoBaja – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Cornélio Procópio
Carro 74 – Equipe Pato BAJA – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Pato Branco
Carro 77 – Equipe Londribaja – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Londrina
Carro 78 – Equipe Gralha Azul – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Ponta Grossa
Carro 79 – Equipe Baja Cataratas – Universidade Estadual Do Oeste Do Paraná – Unioeste

Toyota

Sobre Equipe Mecânica Online®

Um dos principais portais quando o assunto é mecânica na internet brasileira, o Mecânica Online® é feito por você! Através de nosso público procuramos cada vez mais oferecer um conteúdo que leve sempre o nosso principal objetivo: mecânica do jeito que você entende.

Scania