Aceleramos o novo SUV da Volkswagen: o T-Cross

Quem chega por último tem mais responsabilidade. Assim é o mercado automotivo, pois quem vem depois já viu o que a concorrência oferece e pode, sim, levar vantagem.

Apostando na melhor relação entre custo e benefício, a Volkswagen lançou seu primeiro SUV fabricado no Brasil apostando em itens exclusivos como os motores TSI e no baixo custo de reparabilidade.

Após o lançamento inicial apenas com a versão mais completa, a 250 TSI, a Volkswagen convidou a imprensa para conhecer de perto as versões 200 TSI, 200 TSI Automático e Comfortline 200 TSI Automático.

O T-Cross também é produzido sobre a Estratégia Modular MQB e possui motores TSI, de alta eficiência energética.

O motor 200 TSI Total Flex desenvolve potência de até 128 cv (94 kW) a 5.500 rpm, com etanol – com gasolina, são 116 cv (85 kW), à mesma rotação. O torque máximo é de 200 Nm (20,4 kgfm), com gasolina ou etanol, sempre na faixa de 2.000 a 3.500 rpm.

Esse motor pode ser combinado a duas opções de câmbio, ambas de seis marchas: manual ou automática com função Tiptronic, que também conta com as aletas no volante para troca de marcha – “shift paddles”.

O T-Cross 200 TSI com câmbio manual acelera de 0 a 100 km/h em 9,6 segundos e atinge a velocidade máxima de 189 km/h. Com o câmbio automático, o modelo vai de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos e atinge 184 km/h de velocidade máxima.

Os números de consumo de combustível (obtidos conforme as normas NBR6601 e NBR7024, corrigidos pela portaria INMETRO nº10 de 11/01/12) comprovam a eficiência do motor 200 TSI com ambos os câmbios – com o manual, o modelo percorre 13,1 km com um litro de gasolina (combinado cidade/estrada) e 9,1 km com um litro de etanol.

Com o câmbio automático, são 12 km/litro de gasolina (combinado cidade/estrada) – a versão Comfortline percorre 11,9 km/l; e 8,4 km/litro de etanol em ambas as versões.

O tanque de combustível do T-Cross tem capacidade para 52 litros.

Versões muito bem equipadas – O T-Cross já é muito equipado desde a versão 200 TSI, que traz de série Controle de Estabilidade (ESC), seis airbags, freios a disco nas quatro rodas, bloqueio eletrônico do diferencial (XDS+), direção elétrica e ajuste de altura e distância para o volante, assistente para partida em rampas (Hill Hold), sensores traseiros de estacionamento, sistema ISOFIX para fixação de cadeirinhas infantis, faróis com função “Coming & Leaving home”, faróis de neblina com função “cornering”, luzes de condução diurna em LED, lanternas traseiras em LED, banco dianteiro do passageiro com encosto rebatível, suporte para smartphone com entrada USB para carregamento, travas e vidros elétricos e volante multifuncional. Seu câmbio é manual de seis marchas.

Como opcional, o pacote Interactive I inclui sistema de som Composition Touch com tela colorida sensível ao toque de 6,5” e App-connect, dois alto-falantes adicionais (além dos quatro de série), câmera de ré para auxílio em manobras e sensores dianteiros de estacionamento (sensores traseiros são de série).

O T-Cross 200 TSI Automático traz o câmbio automático de seis marchas, controle automático de velocidade, apoio de braço central com porta-objetos, volante multifuncional revestido de couro com “shift paddles”, duas entradas USB para o banco traseiro, saída traseira de ar-condicionado, sistema de som Composition Touch com tela colorida sensível ao toque (“touchscreen”) de 6,5 polegadas e App-Connect.

Visualmente, se diferencia da 200 TSI pela grade dianteira em preto brilhante e pelo logotipo “Automatic” na tampa do porta-malas.

Há para o T-Cross 200 TSI Automático apenas um pacote de opcionais, chamado Interactive II e que inclui câmera de ré para auxílio em manobras e sensores dianteiros de estacionamento e espelhos retrovisores externos com rebatimento elétrico.

O Comfortline 200 TSI Automático adiciona os itens: ar-condicionado digital Climatronic, banco do motorista com ajuste lombar, câmera de ré para auxílio no estacionamento, indicador de pressão dos pneus (RKA), manopla da alavanca de câmbio revestida de couro, porta-luvas refrigerado, sistema “save” de variação do espaço do porta-malas, rodas de liga leve de 17” com pneus 205/55 R17, sensores dianteiros de estacionamento (além dos traseiros) e sistema de frenagem automática pós-colisão.

Essa versão se diferencia da 200 TSI Automático pelos detalhes cromados na grade dianteira (que é pintada em preto brilhante), colunas centrais (“B”) na cor preto brilhante e para-choque traseiro com apliques cromados na região inferior. O revestimento interno é na cor azul escuro e há insertos decorativos no painel.

Para essa versão há quatro pacotes opcionais. O Exclusive & Interactive inclui sistema de infotainment “Discover Media” com navegador via satélite, tela de 8 polegadas, comando por voz e entrada USB no console central; iluminação ambiente em LED; seletor do modo de condução; sistema KESSY de abertura das portas sem chave e partida do motor por botão; espelhos retrovisores externos com rebatimento elétrico e tapetes adicionais de carpete.

O pacote Sky View II traz o teto solar panorâmico, espelho retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular. O pacote Design View agrega bancos de couro com detalhes na cor “Marrakesh Brown” e apliques decorativos no painel com detalhes na cor bronze namíbia.

O quarto pacote, Premium, traz o sistema Park Assist 3.0, faróis full-LED com luz de condução diurna em LED e sistema de som “Beats” com subwoofer.

São oito as opções de cores para a carroceria: branco puro, preto ninja, prata sargas, cinza platinum, vermelho crimson, azul norway e as novas laranja energetic e bronze namibia.

Construção segura – A exemplo de outros modelos fabricados sobre a Estratégia Modular MQB, o T-Cross utiliza aços especiais em sua estrutura. Essa tecnologia colabora para reduzir o peso do veículo, ao mesmo tempo em que melhora seu desempenho em testes de colisão.

O T-Cross mede 4.199 mm de comprimento e 1.568 mm de altura, com 2.651 mm de distância entre-eixos. A capacidade do porta-malas do T-Cross é excelente (o volume é variável entre 373 e 420 litros). O encosto rebatível do banco do passageiro dianteiro oferece ainda mais flexibilidade.

O modelo tem freios a disco nas quatro rodas como item de série. Os discos terão 276 mm de diâmetro nas rodas dianteiras e 230 mm de diâmetro nas rodas traseiras.

As suspensões do T-Cross têm configuração dianteira independente tipo McPherson e interdependente na traseira, com eixo de torção. Traz pneus “verdes”, de baixa resistência ao rolamento, que colaboram para a redução no consumo de combustível – sem deixar de lado a performance dinâmica (dirigibilidade e frenagens). São duas medidas disponíveis: 205/60 R16 e 205/55 R17.

Mais barato para reparar – O Volkswagen T-Cross chega com dois importantes reconhecimentos de qualidade: é o SUV com menor custo de reparo do mercado brasileiro e tem as três primeiras revisões “de série” (gratuitas) para todas as versões.

O modelo obteve classificação 13 no recém-publicado ranking Car Group, do CESVI Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária) – é o melhor índice de reparabilidade em sua categoria

Outro diferencial importante do T-Cross: o modelo tem as três primeiras revisões (10.000 km, 20.000 km e 30.000 km) gratuitas para todas as versões. Com isso, o plano de manutenção do T-Cross até os 60.000 km é 53% mais barato que a média dos concorrentes.

O T-Cross também tem o menor custo de propriedade do segmento (é 9% mais em conta do que a média). No cálculo são projetados em quatro anos os custos do veículo com consumo de combustível, itens de desgaste, taxas de licenciamento e IPVA, além de seguro e manutenção. E sua cesta de peças é 3% mais barata que a média.

Primeiro carro conectado da América Latina – Primeiro SUV feito pela Volkswagen no Brasil, o T-Cross é o primeiro carro conectado da América Latina. O modelo oferece de série na versão Highline, e como opcional para as demais versões, o “VW Connect”, primeira plataforma digital que conecta as principais informações do veículo em um aplicativo.

Essa tecnologia não substitui o “Manual Cognitivo”, que utiliza o sistema IBM Watson para responder aos motoristas questões sobre o veículo, incluindo informações contidas no manual do carro.

T-Cross 250 TSI – Henrique Pereira foi até o Paraná para acompanhar de perto o lançamento do T-Cross e realizar as primeiras impressões com o modelo topo da linha.
Absolutamente confortável, vencemos os 200 quilômetros de teste drive sem o menor cansaço, até me perguntei para que serviria o detector de fadiga que equipava o modelo.
Absolutamente silencioso, bancos que acomodam o corpo muito bem, regulagens de banco e volante que facilitam encontrar sempre o melhor ajuste para dirigir.
O motor 1.4 TSI com 150 cv de potência e 25,5 kgfm de torque dão ao carro elasticidade e desempenho muito superior aos concorrentes diretos no mercado.
O “casamento” ente o motor e a transmissão automática é perfeito, com trocas de marchas precisas, sem trancos ou “buracos”.  O carro está sempre no “pedal” do acelerador pronto para responder com precisão se solicitado.
O T-Cross se comportou muito bem nas estradas e trânsito urbano onde avaliamos o modelo, a suspensão característica da VW esta muito bem calibrada, macia sem ser “solta” faz o carro vencer obstáculos e curvas sem a menor dificuldade.
O controle eletrônico de estabilidade (ESC+ASC+HBA) auxiliam o carro a se manter na trajetória mesmo em velocidade e curvas mais acentuadas. O T-Cross reconhece o estado inicial de uma situação de rodagem, compara a ação do motorista com a reação do veículo e se necessário reduz o torque do motor e freia  uma ou mais rodas até chegar a uma condição de estabilidade
Internamente o T-Cross é amplo, mesmo no banco traseiro. Conta com bancos de couro, uma completa central multimídia com GPS, tomadas USB , saídas de ar condicionado para os passageiros do banco traseiro, um carro extremamente completo. Tanto o painel de instrumentos como a tela LCD no centro do painel são configuráveis e oferecem diversas opções ao gosto de cada motorista.
- Publicidade - Mercedes-Benz