Entenda funcionamento do catalisador para veículos híbridos e motores turbos

Montado dentro de uma cápsula de aço inox e instalado no sistema de exaustão dos veículos automotores, o catalisador é composto por um núcleo cerâmico ou metálico, que contém platina, paládio e/ou ródio e que, por meio de reações químicas, transforma até 98% dos gases tóxicos, como Óxidos de Nitrogênio (NOx), Monóxido de Carbono (CO) e Hidrocarbonetos (HC), provenientes da queima do combustível em substâncias inofensivas.

Entretanto, para determinados veículos, como híbridos e os equipados com motor turbo, sua aplicação possui características específicas.

A Umicore, principal fabricante do componente no País, explica.

“Nos veículos híbridos, ou seja, que possuem um motor a combustão e um elétrico, a atuação do catalisador para o pós-tratamento é mais exigente. Quando o veículo está em funcionamento apenas com o motor elétrico, a temperatura do sistema de escapamento e do motor a combustão caem, uma vez que não há queima de combustível. Entretanto, quando a bateria do veículo descarrega, o motor a combustão entra em operação, exigindo que o catalisador entre em funcionamento rapidamente. Isso exige tecnologias de catalisador de rápidolight-off, ou seja, acendimento, e cargas de metais preciosos mais altas, atuando para superar essa temperatura mais baixa do sistema de exaustão a fim de atender aos limites de emissões”, explica Miguel Zoca, gerente de Aplicação de Produto da Umicore.

Fuel Direct Injection (GDI)-Nos veículos equipados com turbo compressor e com injeção direta de combustível (GDI), a mistura ar/combustível é melhor controlada, proporcionando uma combustão mais eficiente e um menor consumo de combustível e, consequentemente, levando a uma temperatura do gás de escape menor.

Se por um lado essa menor temperatura agride menos o catalisador podendo aumentar sua durabilidade, por outro, é preciso otimizar a tecnologia catalítica e a quantidade de metais preciosos para atendimento dos limites de emissões.

É importante destacar ainda que os catalisadores são responsáveis por garantir que os veículos se enquadrem aos limites de emissão exigidos por lei por meio do Programa de Controle de Poluição do Ar e Veículos Automotores (PROCONVE).

“No Brasil, o nosso TechCenter é um diferencial da Umicore, onde temos todos os recursos para desenvolvimento e otimização dos catalisadores para essas aplicações”, acrescenta Zoca.

Dica do especialista-Projetado para durar no mínimo 80 mil quilômetros, o catalisador pode ter a sua vida útil encurtada pelo desgaste de outras peças, como componentes dos sistemas elétrico, de ignição e de injeção com problemas.

“Por isso, é essencial realizar revisões periódicas no veículo, se atentar à qualidade dos combustíveis e sempre utilizar fluídos especificados pelas fabricantes de veículos para garantir a vida longa do catalisador”, finaliza o executivo.

- Publicidade - Mercedes-Benz