Equipes brasileiras ficam entre as 10 primeiras na competição mundial Baja SAE Rochester (EUA)

Duas das três equipes brasileiras inscritas na competição mundial Baja SAE Rochester, realizada no Rochester Institute of Technology, em Nova York, EUA, ficaram entre as Top 10 no ranking do evento.

A competição, promovida de 6 a 9 de junho, reuniu 96 equipes dos EUA, Canadá, Índia, México, e Venezuela, além do Brasil.

A equipe EESC USP Baja, da Escola de Engenharia de São Carlos da USP (Universidade de São Paulo), foi a 6ª colocada na classificação geral da competição (798.67 pontos), seguida pela Cactus Baja SAE, da Universidade Federal Rural do Semiárido, do Rio Grande do Norte (UFERSA), na 7ª posição (790.74 pontos).

A terceira equipe brasileira, Poli USP Baja, da Escola Politécnica da USP, de São Paulo, classificou-se na 23ª posição (659.25 pontos).

Parciais – EESC USP Baja – Em Rochester, a EESC USP conquistou, ainda, o 2º lugar na prova de Manobrabilidade; o 4º em Design; e o 6º no Enduro.

Já a equipe Cactus Baja obteve a 6ª posição no quesito Manobrabilidade, 7ª em Design e 9ª na prova do Enduro; enquanto a Poli USP foi a 9ª equipe em Manobrabilidade e 11ª em Sales Presentation.

O que garantiu as vagas dos brasileiros na disputa internacional foi a classificação alcançada na 25ª Competição Baja SAE BRASIL-PETROBRAS, realizada em São José dos Campos (SP) em fevereiro último, na qual concorreram 79 equipes do total de 87 inscritas.

Na competição nacional a EESC USP ficou em 1º lugar, seguida pela Poli USP Baja, vice-campeã, e pela Cactus Baja, 3ª colocada.

Formadas por estudantes de engenharia, as equipes projetaram e construíram os próprios carros, supervisionadas por professores.

Para enfrentar os desafios de Rochester os protótipos passaram por adequações às normas norte-americanas e adaptações para melhores respostas às pistas locais.

Os carros – A equipe de São Carlos fez ajustes finos no protótipo que incluíram modificações no chassi para adequação à regra americana, e também no powertrain, suspensão e direção, que tiveram parâmetros ajustados para garantir mais desempenho na pista de Rochester.

A Cactus Baja alterou o chassi do carro e apostou na telemetria a fim de viabilizar a aquisição de dados do veículo em tempo real, vantagem tecnológica destacada pela equipe notadamente em análises de variáveis relacionadas à dirigibilidade, para melhor retorno ao piloto e redução de tempo dos testes.

A Poli USP também fez modificações para se adequar às regras do mundial, entre elas a geometria da suspensão traseira, para o ajuste do carro às características da pista de Rochester.

Histórico – O projeto Baja SAE foi criado na Universidade da Carolina do Sul, Estados Unidos, e a primeira competição norte-americana realizada em 1976.

O ano de 1991 marcou o início das atividades da SAE BRASIL, que, em 1994, lançava o Projeto Baja SAE BRASIL e no ano seguinte, 1995, realizava a primeira competição nacional, na pista Guido Caloi, bairro do Ibirapuera, capital paulista.

Em 1996 a competição foi transferida para o Autódromo de Interlagos, onde ficaria até o ano de 2002 e depois seguiu para o Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo, em Piracicaba, interior de São Paulo, onde ficou até 2015, e passou para o endereço atual – São José dos Campos – em 2016.

“Os programas estudantis da SAE BRASIL têm obtido sucesso entre os jovens e se mostrado celeiros de talento e inovação a ponto de cativar apoio e reconhecimento da indústria ao programa”, ressalta Mauro Correia, presidente da SAE BRASIL.

Top 10 – Baja Rochester

Rank
1º lugar – Univ of Michigan – Ann Arbor Michigan Baja Racing Team – USA – 941.49 points
2º lugar – Ecole de Technologie Superieure – Baja Ets Team – Canada – 906.60 points
3º lugar – San Diego State Univ – Aztec Baja Team – USA – 895.70 points
4º lugar – Cornell Univ – Cornell Baja Team – USA – 841.45 points
5º lugar – Université Laval – Alérion Team – Canada – 809.84 points
6º lugar- Escola de Engenharia de São Carlos – EESC USP Baja Team – Brazil – 798.67 points
7º lugar- Univ Federal Rural do Semi Árido – Cactus Baja SAE Team – Brazil – 790.74 points
8º lugar – Univ of Calgary – Schulich Off-Road Team – Canada – 784.86 points
9º lugar – Univ of Akron – Zips Baja Team – USA – 774.18 points
10º lugar – Rochester Institute of Technology – Riot Racing Team – USA – 766.88 points

- Publicidade - Scania