Cinco passos para verificar problemas na bobina de ignição

Start engloba bobina de ignição, bomba de combustível, cabo de ignição, válvula de injeção de combustível e vela de ignição

A função da bobina de ignição é transformar a tensão da bateria do veículo em alta tensão, que é levada até as velas pelos cabos de ignição, ou diretamente pelas bobinas.

Nas velas de ignição, esta alta tensão é transformada em uma centelha elétrica, que dá início à reação de queima do combustível.

Quando as bobinas operam irregularmente, comprometem o funcionamento do motor do carro, que não realiza a combustão da mistura ar-combustível de forma correta.

Além disso, a bobina em mau estado prejudica outras peças do sistema de ignição e injeção eletrônica.

“Essencial para o correto trabalho do sistema de ignição, o mau funcionamento da bobina pode resultar num gasto de combustível além do normal, falhas ou ruídos agudos, fazendo com que o veículo tenha um desempenho abaixo do esperado. Assim, a correta manutenção é essencial”, explica Pedro Valencio, coordenador de Suporte ao Cliente Aftermarket da Delphi Technologies.

A seguir, a Delphi Technologies, fabricante da tríade de ignição – cabo, bobina e vela – aponta o passo a passo para o correto diagnóstico de problemas no componente.

Como detectar problemas na bobina de ignição

  • Leia todos os códigos de falha e dados ativos usando uma ferramenta de diagnóstico (osciloscópio). Compare os valores da bobina que pode estar com defeito com as informações técnicas fornecidas pelo fabricante;
  • Verifique se há sinais de danos na bobina, como rachaduras, ressecamentos, danos na fiação elétrica ou nas conexões do plugue;
  • Remova e inspecione a vela de ignição. Verifique a folga da mesma e o fio do plugue, para garantir que a resistência do fio esteja dentro da especificação;
  • Com a ignição ligada, meça a tensão de alimentação da bobina com um multímetro. A voltagem deve estar em torno de 12,6V;
  • Consulte as especificações das resistências do produto com o fabricante. É importante que as resistências do circuito primário e secundário estejam dentro do especificado para a produção de altas tensões. Atualmente, os carros mais modernos utilizam bobinas que geram tensões superiores a 40.000V. Se estes valores estiverem fora do padrão proposto, faça a substituição do componente. Uma leitura zero indica uma bobina em curto.
  • É recomendado que, na substituição das bobinas de ignição, sejam trocados também os cabos e velas de ignição.
- Publicidade - Mercedes-Benz