Vendas diretas em alta

Com a alta carga de impostos na compra de um veículo, o brasileiro precisa ficar esperto para aproveitar todos os seus direitos. Na compra de um veículo não poderia ser diferente.

São muitas as categorias e condições diferenciadas para aquisição de um veículo novo, como por exemplo pessoas com deficiência (PcD), produtor rural, taxistas, empresas com CNPJ, governo, frotistas, locadoras e até mesmo autoescola.

Grandes clientes, como locadoras, compram carros direto das montadoras com descontos generosos. Com o crescimento do Microempreendedor Individual, o MEI, muitas pessoas já possuem CNPJ, o que facilita o acesso as condições especiais de compra.

Segundo a Fenabrave, de janeiro a setembro de 2019 as vendas diretas representaram 40,8% dos licenciamentos de carros. No caso dos comerciais leves, essa modalidade de vendas alcançou 70,5%.

Para o cliente que compra um carro, a perda é grande se decidir vendê-lo apenas um ano após a compra, porque os preços de mercado desse seminovo são puxados para baixo principalmente pelas locadoras.

Qualquer pessoa sabe que um automóvel zero quilômetro perde valor assim que sai da loja. No mercado, calcula-se uma queda de pelo menos 20% no primeiro ano de uso.

Mas, como as locadoras compram com até 30% de abatimento, conseguem vender os seminovos a preços mais baixos do que seria a depreciação natural.

Entre os carros mais dependentes das vendas diretas a Fiat Strada é a líder com cerca de 90% das suas versões. Na segunda posição, outro veículo utilitário; 70,1% dos licenciamentos da Fiat Toro foram vendas diretas. Na versão de entrada da Toro o desconto é superior a 15%, enquanto na versão mais completa esse desconto se aproxima dos 22%.

O SUV mais vendido do Brasil no acumulado do ano em 2019, o Renegade deve boa parte dos licenciamentos às vendas diretas, com cerca de 70% de todos os emplacamentos do utilitário esportivo, enquanto que metade dos Jeep Compass licenciados também foram nessa modalidade.

Considerando o Renegade, o desconto da compra direta permite uma redução de cerca de R$ 11 mil reais na versão Sport. No Compass o desconto para compra como Pessoa Jurídica pode chegar próximo dos 17%.

O Ka, na variante de três volumes, é o sedã mais “dependente” das vendas diretas; cerca de 70% dos licenciamentos foram direcionados a vendas corporativas, além de PCDs, taxistas e produtores rurais.

O Volkswagen Gol com 63%, Nissan Kicks com cerca de 55%, Hyundai Creta, Chevrolet Prisma e Toyota Hilux próximos dos 50% dos licenciamentos foram vendas diretas.

- Publicidade - Mercedes-Benz