MINI Countryman e outras variações do clássico Mini completam 60 anos

A variedade de versões distintas é uma característica tradicional da marca MINI.

Mais de sessenta anos após seu surgimento (1959) continua sendo óbvio que o conceito do revolucionário Mini clássico era bom demais para ficar restrito a uma única versão.

O gênio inventivo dos engenheiros e a diversidade da British Motor Corporation (BMC) pavimentaram o caminho para essa ramificação.

Em 1960, a BMC apresentou um Mini-Van ao lado do Mini clássico. O Mini-Van era um veículo utilitário ideal para o uso como instrumento de trabalho, por operários e comerciantes.

Vieram então versões mais arredondadas e estas chegaram ao mercado como Morris Mini-Traveller e Austin Seven Countryman. Um Mini-picape completou o line-up de veículos comerciais de pequeno porte no ano seguinte.

Mais longo, mais forte, mais sofisticado, mais versátil – O Morris Mini-Minor e o Austin Seven Countryman se diferenciavam apenas pela grade do radiador, calotas e cor da carroceria.

Ambos eram movidos por um motor de quatro cilindros instalado transversalmente na frente e entregando uma potência máxima de 34 cv.

O desempenho dos modelos era idêntico, assim como o volume do bagageiro, de 195 litros.

Todos ficaram entusiasmados com o generoso espaço disponível, os motores eficientes mais potentes, a boa aderência à estrada e a suspensão confortável que este novo compacto tinha para oferecer.

O Austin Seven Countryman, assim como o Morris Mini-Traveller, alcançou status ‘cult’ conservado até os dias atuais, também graças à versão com painéis feitos de madeira, popularmente conhecida como Woody.

Quando foi lançado, em 2010, o MINI Countryman também oferecia outras formas de desfrutar do prazer na condução, característica da marca.

Foi o primeiro MINI com quatro portas, cinco lugares e que registrou mais de 540 mil unidades vendidas em todo o mundo.

- Publicidade - Cursos Mecânica Online®