McLaren Artura: supercarro totalmente novo, híbrido de alto desempenho de última geração

O novo McLaren Artura marca o início de um novo capítulo para a empresa pioneira de supercarros de luxo e uma nova era em tecnologia e desempenho de supercarros.

Ele se junta aos modelos 720S, 720S Spider e 765LT na linha Supercars da McLaren (composta também pelas linhas GT, na qual se enquadra o McLaren GT, e Ultimate, na qual se posicionam o Elva, o Speedtail e o McLaren Senna).

O primeiro supercarro híbrido de alto desempenho de produção em série da McLaren concentra mais de meio século de experiência e conhecimento em corridas e carros de rua da empresa em um supercarro de próxima geração que combina tecnologia inovadora com a dedicação da McLaren ao puro envolvimento do piloto.

Apoiado pela filosofia da McLaren de engenharia superleve, o novo Artura é a essência de todos os atributos inerentes a um McLaren − design diferenciado, desempenho incomparável, excelência dinâmica e inovação de engenharia− com a eletrificação agora trazendo os benefícios adicionais de uma resposta ainda mais rápida ao acelerador, emissões mais baixas e capacidade de operar no modo elétrico puro para viagens livres de emissões de até 30 quilômetros*.

Totalmente novo, feito a partir do zero, o Artura presenteou os engenheiros e designers da McLaren com novas oportunidades para inovar, a principal delas sendo como preservar a filosofia de engenharia superleve da McLaren ao adicionar elementos do trem de força híbrido, incluindo o motor elétrico e a bateria.

Um programa exigente de redução de peso, abrangendo todas as áreas do Artura desde a plataforma do chassi – esta é a estreia da nova arquitetura leve de carbono (MCLA, McLaren Carbon Lightweight Architecture) – até o trem de força HPH compacto e o peso do cabeamento usado na parte elétrica (onde uma redução de 10% foi alcançada) resultou no Artura tendo um peso seco mais leve de 1.395 kg*.

O peso total dos componentes híbridos é de apenas 130,1 kg (que inclui uma bateria de 87,9 kg e um motor elétrico de 15,4 kg), resultando em um peso DIN de 1.498 kg* – no mesmo nível de supercarros comparáveis mas sem motorizações híbridas – dando ao Artura a vantagem de ser extremamente leve.

“Cada gota da experiência e conhecimento da McLaren foi derramada no Artura. Nosso novo híbrido de alto desempenho (HPD) oferece todo o desempenho, envolvimento do piloto e excelência dinâmica pelos quais a McLaren é conhecida, com o benefício adicional da capacidade de propulsão elétrica. A introdução do Artura é um momento marcante – para a McLaren, para nossos clientes que irão apreciar e desfrutar deste carro em todos os níveis emocionais e racionais, e para o mundo dos supercarros.”
Mike Flewitt, CEO, McLaren Automotive

“O Artura é um carro 100% novo e inaugura uma nova era de supercarros híbridos na McLaren. Foi concebido desde o primeiro traço para ser um híbrido de alto desempenho, nasceu como tal e vai elevar todos os futuros carros da McLaren a um novo patamar de performance, conforto, acabamento e dirigibilidade no dia a dia. O Artura oferece o melhor de dois mundos: o torque de um motor elétrico e o desempenho do sistema híbrido, sendo ainda por cima extremamente leve e ágil.”

Bruno Bonifacio, Gerente Geral, McLaren São Paulo

No coração do trem de força do Artura está o novo motor V6 biturbo a gasolina de 2.993 cm³ da McLaren.

Com potência de 585 HP (202,7 HP por litro) e 585 Nm de torque, o motor de alumínio de cárter seco é compacto e leve: com apenas 160,1 kg, pesa 49,8 kg a menos do que um motor McLaren V8 e é significativamente mais curto, aumentando a eficiência do conjunto.

Projetado para funcionar com um filtro de partículas de gasolina para otimizar as emissões, o motor M630 também é extremamente refinado.

O ângulo em V de 120° do motor permite que os turbos sejam posicionados dentro do “v quente” e oferece outras vantagens, além de contribuir para um centro de gravidade mais baixo.

O layout de 120° aumenta o desempenho do motor, reduzindo as perdas de pressão por meio do sistema de escapamento, e permite um virabrequim mais rígido que permite um limite de rotação de 8.500 rpm, maximizando o desempenho e o envolvimento do piloto.

Trabalhando em harmonia com o novo V6 está o motor elétrico de fluxo axial compacto do Artura, localizado dentro da caixa de transmissão.

Menor e mais denso em energia do que um motor elétrico de fluxo radial convencional, ele é capaz de gerar 95 HP de potência, 225 Nm de torque e possui uma densidade de energia por quilo 33% maior do que o sistema usado no McLaren P1.

A natureza instantânea da entrega de torque do motor – conhecida como “torque infill” – é a chave para a resposta rápida do acelerador.

O desempenho “off-the-line” estimulante vê o Artura ir de 0 a 100 km/h em apenas 3,0 segundos*, de 0 a 200 km/h em 8,3 segundos* e de 0 a 300 km/h em 21,5 segundos*. A velocidade máxima é limitada a 330 km/h.

Os sistemas de propulsão dupla são integrados por meio de uma embreagem de desconexão do motor, conduzindo uma transmissão totalmente nova de dupla embreagem, que foi desenvolvida especificamente para o Artura.

Apesar de ter oito marchas (e consequentemente uma relação a mais do que a transmissão McLaren já existente) para otimizar a entrega de potência e torque, o conjunto de engrenagens leve e de relação curta é 4 centímetros mais curto.

Também não requer marcha à ré – o motor elétrico cuida da reversão literalmente girando na direção oposta.

O motor elétrico é alimentado por uma bateria composta por cinco módulos de íon-lítio, oferecendo uma capacidade de energia utilizável de 7,4 kWh e um alcance elétrico puro de 30 quilômetros*.

A bateria é resfriada por líquido refrigerante que corre por trilhos de resfriamento, e o conjunto – incluindo uma unidade de distribuição de energia que transfere a energia da bateria da parte traseira do veículo para os auxiliares na frente – é montado em um piso de fibra de carbono estrutural.

Este conjunto é então aparafusado na base traseira do monocoque, otimizando a rigidez, a distribuição de peso e a proteção contra impactos.

O Artura é projetado com capacidade plena Plug-in Hybrid (PHEV) e pode ser carregado a um nível de 80% em apenas 2h30min com um cabo EVSE padrão.

As baterias também podem coletar energia do motor a combustão durante a condução, adaptadas ao modo de condução selecionado.

“Desde o início do projeto, o design e a engenharia do Artura consistiram em nos desafiar a inovar, empurrar e empurrar para alcançar tudo o que sabíamos que um supercarro híbrido de alto desempenho da McLaren de próxima geração deveria ser. Como resultado, o Artura é totalmente novo; o monocoque de fibra de carbono, a arquitetura elétrica, a carroceria e o interior são novos. O mesmo acontece com o motor V6, a transmissão – que também integra um novo tipo de motor elétrico para a indústria -, o conceito de suspensão traseira e nosso primeiro diferencial eletrônico “.

Geoff Grose, engenheiro-chefe, McLaren Artura

O McLaren Artura é o primeiro modelo a ter a nova arquitetura de baixo peso de carbono McLaren (MCLA, McLaren Carbon Lightweight Architecture) em seu núcleo.

Projetado e fabricado no centro de tecnologia de compósitos da McLaren (MCTC, McLaren Composites Technology Center) na região de Sheffield, o MCLA define um novo padrão para o design flexível de chassi avançado da McLaren.

Otimizado para aplicações híbridas de alto desempenho, ele inclui um compartimento de bateria feito sob medida e apresenta uma arquitetura elétrica ethernet inovadora baseada em domínio, junto com um sistema elétrico de aquecimento, ventilação e ar condicionado (eHVAC).

A arquitetura ethernet reduz o cabeamento em até 25%, além de acelerar a transmissão de dados.

Isso também facilita o acesso a sistemas avançados de assistência ao motorista (ADAS), incluindo Controle de Cruzeiro Adaptável Inteligente, Aviso de Saída de Faixa, Assistência Automática de Farol Alto e Reconhecimento de Sinalização Rodoviária, bem como atualizações de software Over-The-Air (OTA).

A arte da engenharia sob a pele do Artura é complementada por seu design exterior.

O nariz baixo, a frente da cabine e a cauda alta é puro supercarro, o desenho sublinhado pelas portas McLaren diédricas – que se abrem mais perto da carroceria e abrigam espelhos que se dobram mais firmemente – e ainda mais reforçado pela curta distância entre-eixos e altura reduzida.

O efeito geral dá ao Artura uma aparência quase “encolhida”, evoluindo para um novo nível a abordagem de design da McLaren vista em modelos recentes.

A escultura técnica ágil tem apenas as linhas mínimas da carroceria e das juntas do painel, auxiliadas por recursos como uma concha traseira integral projetada e superformada como um painel.

A forma do Artura, esculpida para otimizar o desempenho e gerenciar o fluxo de ar para desempenho aerodinâmico e resfriamento, é impulsionada pelo princípio de design McLaren de “tudo por uma razão” que está em evidência em todo o carro.

O centro do divisor frontal é um exemplo disso, sendo a entrada para o sistema eHVAC e também abrigando o radar frontal que faz parte do pacote ADAS opcional.

Por dentro, o Artura não deixa de ser uma revolução, com o cockpit mais centrado do que nunca em torno do motorista.

A seleção do modo de direção – que retém os controles Powertrain e Handling separados – foi movida para a coluna do instrumento, que por sua vez é montada na coluna de direção e se ajusta com o volante para melhorar ainda mais a ergonomia de direção.

Consequentemente, o volante é mantido livre de interruptores desnecessários. No entanto, o motorista ainda é capaz de ajustar os modos de direção sem tirar as mãos do volante.

O motorista pode escolher entre quatro modos de Powertrain, incluindo um E-mode (modo elétrico) para 30 km de propulsão apenas elétrica, livre de emissões.

Projetado para condições de direção mistas, o modo Comfort (conforto) maximiza o alcance e a eficiência, com o motor a combustão sendo desligado abaixo de 40 km/h com o uso de um modo Stop and Start (parada e partida) estendido, mas integrado para maiores requisitos de velocidade e potência.

Nos modos Sport (esporte) e Track (pista), a energia elétrica é implantada de uma maneira cada vez mais agressiva para resposta e aceleração de low-end (“torque infill”).

As opções de modos de manuseio separadas ajustam a firmeza do amortecedor e o grau de intervenção do Controle Eletrônico de Estabilidade para atender às preferências do motorista e às condições climáticas e da estrada.

Desde o início, a McLaren projetou o Artura para ser não apenas uma virada de jogo tecnológica, mas também para permanecer fiel aos principais atributos da McLaren: ser incrivelmente envolvente para pilotar e exibir os mais altos níveis de habilidade dinâmica.

Projetado para se destacar na estrada e na pista, o Artura também possui o refinamento dinâmico para fazer serenamente um trajeto urbano no modo elétrico.

Os engenheiros da McLaren se concentraram na estabilidade e frenagem; controle da extremidade traseira; maior aderência e carga aerodinâmica otimizada – bem como maior envolvimento do piloto.

A chave para atingir esses objetivos é a primeira implantação da McLaren de um diferencial controlado eletronicamente (E-diff) para controlar de forma independente o torque que se move pelo eixo traseiro.

Mais leve, mais controlável e menor que um diferencial de travamento mecânico (ele se encaixa na transmissão), o E-diff bloqueia e desbloqueia as rodas traseiras individualmente para melhorar a tração nas curvas.

O inovador sistema de suspensão traseira, que emparelha um braço superior com dois braços inferiores e um tirante na frente do centro da roda, maximize a estabilidade e a precisão do veículo e reduz a subviragem em uma curva enquanto acelera.

Os pneus mais largos permitem estabilidade adicional e melhor tração, enquanto a combinação de uma distância entre-eixos curta, E-diff e força descendente física fornecida pelo spoiler traseiro integrado e difusor garantem uma incrível agilidade em baixa velocidade e um alto nível de estabilidade em alta velocidade.

O E-diff em particular aumenta o desempenho e a confiança do motorista nas curvas, melhorando a tração e reduzindo os níveis de subviragem.

A precisão dinâmica é adicionalmente aprimorada pela tecnologia Pirelli Cyber Tire.

Composto por hardware e software integrado com os sistemas eletrônicos do Artura e apresentando um “chip” eletrônico dentro de cada pneu, o Pirelli Cyber Tire gera dados em tempo real e os retransmite para os sistemas de controle de estabilidade do carro para otimizar o desempenho.

Uma característica que descaradamente não é nova no Artura é a direção hidráulica assistida, marca registrada da McLaren.

Comprovado em gerações de supercarros da McLaren, continua sendo o sistema definitivo para fornecer feedback ao piloto.

No Artura, o sistema foi totalmente redesenhado para reduzir peso e é combinado com uma versão atualizada e personalizada do sistema de Controle de Amortecimento Proativo da McLaren que oferece suporte a características excepcionais de condução e manuseio.

O desempenho de frenagem também é excepcional, devido ao fato de o Artura ser equipado com freios de cerâmica de carbono e pinças de alumínio leves da mesma família dos sistemas que equipam os modelos LT mais recentes da McLaren. Junto com a nova cinemática do eixotraseiro, eles oferecem estabilidade e potência de frenagem em alta velocidade superiores.

O conforto do motorista e do passageiro em geral foi um imperativo ao longo do desenvolvimento do Artura, com o refinamento do NVH (ruído, vibração e aspereza de rodagem) em alta na agenda – como convém a um supercarro que passará parte do tempo funcionando no modo elétrico quase silencioso.

As inovações que beneficiam o refinamento incluem a rigidez do MCLA, montagens com fluido para o trem de força e o novo design e configurações da suspensão traseira.

O sistema patenteado de cancelamento de ruído da Pirelli (PCNS, Pirelli Noise Cancelling System), que usa um dispositivo de absorção de som na parede interna do pneu P-ZERO para reduzir a vibração e o ruído, também estão presentes.

O McLaren Artura também apresenta um assento Clubsport totalmente novo, que combina com exclusividade a amplitude de movimento esperada de um encosto móvel com o peso leve e o suporte de um assento de corrida.

Inovador, mas descomplicado, todo o assento gira como um só, dentro de um arco elíptico, quando ajustado, combinando apoio sob a coxa, altura do assento e encosto em um único movimento.

Os assentos estão localizados em uma cabine ergonomicamente otimizada, sua concha de fibra de carbono combinada com um painel frontal estreito e portas para permitir que um motorista de 97,5º percentil (1m93cm) se alongue com amplo espaço para joelhos e pernas, mesmo com o encosto significativamente reclinado.

O espaço para os ombros é igualmente amplo, permitindo que o motorista se sinta adequadamente confortável para desfrutar do desempenho e das habilidades dinâmicas do Artura.

Um sistema de conectividade e entretenimento informativo totalmente novo da McLaren (MIS II) utilize duas telas de alta definição.

A interface é construída em software totalmente novo e hardware personalizado para fornecer um nível de resposta de smartphone e também é capaz de espelhamento de smartphone para Apple CarPlay e Android Auto.

O MIS II inclui versões atualizadas de aplicativos familiares da McLaren, incluindo McLaren Track Telemetry e Variable Drift Control, e também apresenta um mapa de navegação redesenhado no painel de instrumentos que se concentra nas principais informações para minimizar a distração do motorista.

Um modo furtivo na coluna principal oculta conteúdo não essencial, reduzindo as distrações e promovendo a concentração total na estrada à frente.

O MIS II também habilita, opcionalmente, uma série de recursos ADAS de assistência ao motorista (ADAS), incluindo Controle de Cruzeiro Adaptável Inteligente com Stop/Go; Aviso de Saída de Faixa; Assistência de Farol Alto e Reconhecimento de Sinais de Trânsito.

Esses e os recursos de infoentretenimento podem ser aprimorados usando a tecnologia de atualização OTA.

O Artura também possui uma chave de veículo de baixa energia Bluetooth que detecta quando o motorista está se aproximando do automóvel e liga os sistemas para dar as boas-vindas aos ocupantes. Isso inclui iluminação ambiente “escondida mesmo acesa” nas portas.

Combinando com um carro que é totalmente novo e a destilação de mais de meio século de conhecimento e experiência da McLaren em engenharia de carros de corrida e de estrada, o Artura apresenta uma série de tecnologias para as quais a McLaren tem patentes pendentes.

Isso inclui arquivamentos para vários elementos do MCLA; uma patente relacionada ao uso do motor elétrico em vez de uma marcha à ré mecânica para permitir o deslocamento para trás e também permite que o comprimento da caixa de câmbio seja reduzido; e uma patente que cobre o mecanismo de ajuste leve e inovador, mas fácil de usar, do novo assento Clubsport opcional.

O Artura já está disponível para encomendas na McLaren São Paulo, com as primeiras entregas aos clientes estando previstas para o terceiro trimestre deste ano.

Existem mais três especificações básicas: Performance, com estética funcional e esportiva; TechLux, na qual o foco está no luxo técnico que o nome sugere; e Vision, que exibe uma aparência mais vanguardista e aventureira.

Cada McLaren Artura tem garantia de veículo de cinco anos, garantia de bateria de seis anos e garantia de carroceria de 10 anos.

Mais informações sobre o McLaren Artura: http://cars.mclaren.com/en/artura

McLaren Artura – Especificações técnicas

Configuração do motor Motor M630 V6 biturbo, 2.993 cm³, trem de força híbrido com motor elétrico de fluxo axial
Disposição do trem de força Longitudinal com motor central, tração traseira
Potência 680 HP: 585 HP a 7.500 rpm (motor a gasolina); 95 HP do motor elétrico1
Torque 720 Nm: 585 Nm de 2.250 a 7.000 rpm do motor a combustão, 225 Nm do motor elétrico1
Transmissão 8 marchas SSG (ré usando o motor elétrico) com diferencial de bloqueio eletrônico (E-diff).

Modos Electric, Comfort, Sport e Track

Direção Eletroidráulica assistida por energia
Chassis MCLA monocoque de fibra de carbono com quadros dianteiro, traseiro e estruturas de chassi de alumínio
Suspension Amortecedores adaptativos independentes. Dianteira: braços duplos de alumínio. Traseira: braços superiores e multi-link inferior.

Controle de amortecimento proativo (PDC, Proactive Damping Control). Modos Comfort, Sport e Track.

Freios Discos de cerâmica de carbono (dianteiros 390 mm; traseiros 380 mm) com pinças de freio de alumínio forjado (monobloco dianteiro 6 pistões; traseiro 4 pistões)
Rodas (polegadas) Dianteiras:  19 x 9J; Traseiras: 20 x 11J
Pneus Pirelli P-ZERO e Pirelli P-ZERO Corsa com tecnologia Pirelli Cyber Tire

Dianteiros: 235/35Z/R19 91Y

Traseiros: 295/35/R20 105Y

Comprimento (mm) 4.539
Distância entre-eixos (mm) 2.640
Altura (mm) 1.193
Largura com espelhos (mm) 2.080
Largura com espelhosdobrados (mm) 1.976
Largura sem espelhos (mm) 1.913
Bitola (em relação ao centro), mm Dianteira:  1.650; traseira: 1.613
Peso seco mais leve (kg) 1.395
Peso bruto DIN (fluidos + 90% combustível), kg 1.498
Capacidade do tanque 72 litros
Capacidade utilizável da bateria 7,4 kWh
Tempo de carga da bateria 2h30min para 80% de carga (via cabo EVSE)
Autonomia elétrica 30 km *
Velocidade máxima elétrica 130km/h *
Capacidade do porta-malas 160 litros

Desempenho

0-100  km/h 3,0 s*
0-200  km/h 8,3 s*
0-300 km/h 21,5 s*
0-400 m (quarto de milha) 10,7 s*
Velocidade máxima 330 km/h (limitada eletronicamente)
Frenagem 200-0km/h 126 m*
Frenagem 100-0km/h 31 m*

 

Eficiência

Emissões de CO2, ciclo WLTP EU (combinado) 129 g/km *
Consumo de combustível, ciclo WTLP EU (km/l)
Combinado A ser validado*
Cidade A ser validado*
Estrada A ser validado*

 

Garantia

Veículo 5 anos ou 75.000 km
Bateria 6 anos ou 75.000 km
Carroceria (anti-perfuração) 10 anos sem limite de quilometragem

* valor a ser confirmado – validação final pendente

1 – A potência é 95 HP transiente e 49,6 HP sustentada (4,6 kW/kg). O pico de torque utilizado é de 225 Nm.

A distribuição de torque do motor a combustão interna V6 e do motor elétrico é gerenciada para otimizar as características de dirigibilidade do trem de força, não simultaneamente no máximo – portanto, 720 Nm para geral.

- Publicidade - Cursos Mecânica Online®