MINI Cabrio: Como surgiu e evoluiu a diversão a céu aberto

A atual geração do MINI Cabrio, o conversível mais carismático e tecnológico do segmento compacto premium mundial, já pode ser vista nas ruas das principais metrópoles do mundo, inclusive por aqui, no Brasil.

No entanto, o carisma dele não se deve, simplesmente, ao design inconfundível.

Sua qualidade premium – única no segmento de conversíveis compactos – e sua funcionalidade inteligente também ressaltam instantaneamente o seu estilo individual.

Na realidade, desde o momento que ganhou as ruas do Reino Unido, em meados de 1993, o MINI Cabrio confirmou a sua reputação de legítimo representante da marca ao mesmo tempo que evidenciava o caráter de exclusividade e a dirigibilidade a céu aberto.

O para-brisas vertical, por exemplo, permitia que o motorista e os passageiros percebessem que estavam ao ar livre assim que o teto fosse recolhido.

Eixos situados bem perto das extremidades da carroceria, grandes caixas de roda, linha de ombro elevada e vários elementos de design marcantes não deixavam dúvidas quanto as origens do conversível de quatro lugares.

E graças à capota retrátil, de formas precisamente definidas, os contornos tradicionais de um legítimo MINI eram instantaneamente reconhecidos com o teto fechado.

Outra especialidade: Dirigindo ao ar livre-Após três décadas desde o surgimento do primeiro Mini, um conversível baseado no modelo clássico finalmente surgiu em 1991 graças à iniciativa da concessionária Mini Lamm, da cidade alemã de Kappelrodeck.

Beneficiada por uma estrutura reforçada e um subchassi integrado, a qualidade do trabalho de conversão da carroceria impressionou os responsáveis pela matriz da Rover, a fabricante do Mini clássico, no Reino Unido.

Como resultado, a empresa decidiu produzir uma série de 75 exemplares do Mini Cabrio, apenas para o mercado britânico.

Posteriormente, o Mini Cabrio clássico foi desenvolvido pela Rover Special Products, em parceria com a Karmann (Alemanha), sendo apresentado ao público, pela primeira vez, no British Motor Show, realizado em Birmingham, em outubro de 1992.

Logo depois, o conversível entraria em produção na fábrica de Longbridge, no Reino Unido.

Ao todo, 1.081 exemplares do clássico Cabrio foram produzidos até agosto de 1996, e que, mais tarde, acabaram se tornando raridades altamente cobiçados.

Para-choques dianteiro e traseiro específicos para o modelo, arcos das rodas alargados e adereços nos frisos da soleira conferiram-lhe uma aparência exclusiva.

O interior, por sua vez, trazia uma alavanca de câmbio de nogueira, volante de couro e tapete de veludo.

A versão com teto destacável do clássico Mini era oferecida com duas opções de pintura: Vermelho Nightfire, com capota vermelha, ou azul Caribe, com teto cinza.

O modelo era disponibilizado apenas com motor de quatro cilindros e 63cv, o mesmo usado no Mini Cooper e assegurava fôlego de sobra.

A versão conversível vinha com teto flexível operado manualmente, enquanto um mecanismo elétrico de abertura da capota era oferecida como equipamento opcional.

Após o relançamento da marca, em 2000, os admiradores da condução ao ar livre tiveram de esperar relativamente pouco para a estreia de uma opção conversível.

O MINI Cabrio celebrou sua estreia apenas 3 anos após o Hatch de 3 portas ter sido lançado no mercado.

Por uma década, o novo Cabrio tornou-se referência de condução a céu aberto no segmento de carros compactos, conquistando seu espaço como elemento-chave dentro do programa de desenvolvimento de novos modelos da marca.

MINI Cabrio: o conversível repaginado-O MINI Cabrio foi apresentado à imprensa e ao público, pela primeira vez, em 2004, durante o Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça.

Ele foi lançado no mercado europeu em três versões – MINI One Cabrio, MINI Cooper Cabrio e MINI Cooper S Cabrio.

Além dos novos para-choques dianteiros e traseiros, diferenciados em relação ao MINI Hatch convencional, a gama de cores externas disponibilizada para o modelo contava com 10 tonalidades diferentes.

Estilo peculiar, detalhes inteligentes.

No MINI Cabrio da primeira geração, por exemplo, o teto retrátil, com seu mecanismo de abertura eletro-hidráulico poderia ser totalmente aberto com o apertar de um botão ou parcialmente recuado, na parte dianteira, em 40 centímetros.

A partir de então, esta função possibilitou a abertura da capota a velocidades de até 120 km/h.

O MINI Cabrio também é, desde sempre, igualmente versátil quando o assunto é acomodar objetos no porta-malas.

O acesso ao compartimento é facilitado pela tampa traseira, de abertura reclinável, e pelo Easy Load System, um conjunto de suportes e apoios que sustentam o vidro traseiro em posição inclinada e o encosto do banco traseiro rebatível, aumentando a abertura do bagageiro.

Com um leque tão diversificado de atributos, o MINI Cabrio logo se tornou um sucesso global.

Segunda geração: história de sucesso.

A segunda geração do Cabrio foi revelada no Salão de Detroit de 2009, ano que marcou o 50º aniversário da MINI.

Com aprimoramentos no design e que refletiam um estilo ainda mais esportivo, motores mais potentes e eficientes, um interior de qualidade premium ainda mais refinado, uma configuração otimizada e inúmeros recursos de equipamentos inovadores, o novo MINI Cabrio preservava a história de sucesso de seu antecessor.

Barras de proteção, de seção única, quase invisíveis, e que irrompiam apenas em caso de risco de capotamento, combinada à maior rigidez da carroceria, mostraram um progresso adicional no campo da segurança.

A capota de tecido de alta qualidade também apresentava propriedades acústicas aprimoradas, bem como a janela traseira de vidro e dotada de aquecimento.

O teto podia ser aberto e fechado em 15 segundos, a velocidades de até 30 km/h.

Outro equipamento de destaque desta geração do Cabrio foi o Always Open Timer, um temporizador capaz de medir o tempo de deslocamento com o teto aberto.

A função de abertura deslizante da capota foi mantida, assim como o Easy Load System.

A tampa traseira passava a vir com dobradiças internas e o volume de armazenamento do bagageiro foi ampliado de 125 para 170 litros, com o teto recolhido, e 660 l com a capota fechada.

A gama de motores também foi significativamente expandida.

Passaram a oferecer três unidades a gasolina, de 98cv, 122cv e 184cv, e duas a diesel, de 112cv e 143cv; além da opção top de linha MINI John Cooper Works Cabrio, a gasolina, capaz de entregar 211cv.

Todos os motores estavam combinados a uma transmissão manual de seis marchas de série, enquanto um câmbio automático de seis velocidades era oferecido como opcional.

Nova geração-Em março de 2018, o novo MINI Cabrio foi lançado no mercado europeu com novas atualizações de design e tecnologia.

Além do teto de acionamento totalmente elétrico, cada MINI Cabrio vem com faróis e lanternas equipados com LEDs, Controle de Distância de Estacionamento Traseiro (PDC), tela de 6,5 polegadas, chamada de emergência inteligente (E-call), rádio digital e conectividade Bluetooth entre outros itens de série.

Atualmente, o MINI Cabrio é oferecido em cinco opções de motorização – One, Cooper, Cooper S, Cooper D e Cooper SD – equipadas com motores de 3 ou 4 cilindros, movidos a gasolina ou diesel, e associadas a transmissões automáticas ou manuais de seis, sete ou oito marchas.

O tempo de abertura da capota que é de 18 segundos..

- Publicidade - Mercedes-Benz