Perspectivas da Scania para 2020

Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania no Brasil

A expectativa da Scania para 2020 é de crescimento nas vendas em todos os seus mercados de atuação: caminhões, ônibus, serviços e motores industriais, marítimos e para geração de energia.

A maior novidade para o mercado de 2019, a Nova Geração de caminhões com 12% a mais de economia em comparação à anterior, registrou mais de 12.000 encomendas.

“Para 2020, ainda existem algumas incertezas sobre os rumos das economias global e nacional, por isto estamos com um otimismo moderado neste momento. Mas, a fase da Scania no Brasil é ótima e nossas projeções são de crescimento em todos os segmentos”, afirma Roberto Barral, vice-presidente das Operações Comerciais da Scania no Brasil.

“Vai avançando também nossa jornada liderando o sistema de transporte para ser mais sustentável. Em 2020, temos mais dois importantes passos com a tecnologia de motores a gás e/ou biometano com as entregas dos caminhões a partir de abril e o início das vendas dos ônibus, no segundo semestre.”

Nos ônibus, a visão é de acréscimo no segmento rodoviário. “Nossa previsão é crescer até 5%. Algumas incertezas com o movimento de desregulamentação de linhas e a crescente atuação dos aplicativos levará o mercado a uma adaptação ao longo do ano. Nos urbanos, deveremos fazer um volume próximo de 2019”, conta Fábio D´Angelo, novo gerente de Vendas de Ônibus da Scania no Brasil.

Em Serviços, o novo diretor Marcelo Montanha, acredita numa alta de 33% no portfólio de programas de manutenção (carteira de planos ativos). “A Scania vem revolucionando as soluções de serviços nos últimos anos, e vamos trazer ainda mais novidades para 2020. Estamos reestruturando alguns programas para dar mais um passo à frente. A conectividade trará ainda mais benefícios à gestão da frota.”

Já na área de motores industriais, marítimos e para geração de energia a projeção é de seguir o crescimento da economia em 2020. O portfólio tem opções movidas a diesel, biogás e biometano.

“Somos líderes mundiais em tecnologia para estes três segmentos. No Brasil, acreditamos num crescimento econômico e no aumento das demandas em função do aquecimento da indústria e pela geração distribuída. Associado à ampliação de necessidade por energia limpa e ao rendimento satisfatório comprovado pelos clientes na comparação com o diesel esperamos superar o dobro dos pedidos de 2019 na aplicação de gás natural e biometano nos grandes equipamentos consumidores de energia. O gás é o futuro para esta indústria”, explica Celso Mendonça, gerente de Vendas de Motores da Scania no Brasil.

Após um ano de absoluto sucesso de sua Nova Geração de caminhões, a Scania acredita que o mercado de caminhões poderá crescer de 10 a 15%, na faixa em que atua, acima de 16 t (semipesados e pesados), na comparação com 2019.

2019: Nova Geração fazendo história – O ano passado marcou o início das entregas da Nova Geração de caminhões e também de resultados de vendas importantes. O Brasil foi novamente o maior mercado de caminhões da Scania no mundo.

Na faixa de atuação da fabricante (acima de 16t – semipesados e pesados) – foram 12.755 caminhões emplacados (o maior volume dos últimos cinco anos), uma alta de 47,6% em comparação com as 8.643 unidades de 2018.

A participação de mercado subiu de 16,4% para 17%. As aplicações que mais se destacaram foram para o agronegócio, as cargas gerais e o transporte frigorificado.

Com 1.314 unidades, quase o triplo em relação a 2018, o segmento fora de estrada obteve o maior volume dos últimos anos. Já a indústria registrou 74.917 veículos (2019) versus 52.652 (2018). Um aumento de 42,3%.

Nos pesados, o aumento da Scania foi de 57,7% enquanto a categoria cresceu 48,4%. Houve o emplacamento de 12.667 caminhões contra as 8.031 unidades do exercício anterior. A participação subiu de 23,1% para 24,5. A indústria computou 51.635 veículos (2019) versus 34.785 (2018). Nos semipesados foram 88 unidades emplacadas e participação de 0,4%.

“Em 2019, levando em conta a indústria acima de 16t e também a categoria de pesados a Scania cresceu em volume mais do que o mercado, e ainda ganhou participação. Mas, o mais importante foi manter a rentabilidade do negócio. De nada adianta só fazer volumes e perseguir freneticamente a liderança sem margens consistentes para a saúde financeira da empresa”, salienta Munhoz.

Que estreia! R 450, o segundo mais emplacado da indústria e dos pesados – O R 450 começou com o pé direito sua história no mercado. Já no primeiro ano ficou em segundo lugar no ranking geral da indústria e na mesma posição na categoria dos pesados. Desta forma, ele repete a trajetória inicial com a vice-liderança nos pesados justamente de quem sucedeu, o R 440 (o modelo mais vendido da história da marca).

De acordo com o ranking da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), o R 450 teve 5.348 modelos registrados (10,3% de participação nos pesados).

“O R 450 está mais rentável do que foi o R 440, com a promessa de 12% de economia de diesel sobre seu antecessor. A vocação para aplicações ainda mais variadas comprova a eficiente performance. O interesse dos clientes só aumenta.”

Ônibus – A Scania mantém a confiança para um desempenho positivo nos ônibus em 2020, e projeta alta de até 5% nas vendas em comparação a 2019, na faixa acima de 8t. A fabricante também prevê o início da comercialização dos chassis a GNV e/ou biometano para o segundo semestre.

Entrevista – Durante evento realizado pela Scania entrevistamos Sílvio Munhoz sobre as perspectivas da marca para 2020 e os desafios superados em 2019.

Saiba mais sobre os motores, transporte urbano e rodoviário, caminhões, gás natural veicular e sustentabilidade.

2019 – Crescimento acima do mercado nos rodoviários – No acumulado de 2019, na faixa de atuação da Scania (acima de 8 toneladas de capacidade de carga) a indústria emplacou 17.491 unidades contra as 12.808 de 2018, num aumento de 36,6%.

A fabricante sueca teve 901 ônibus registrados versus 760 do exercício anterior. “A Scania cresceu 18,6%. Continuamos oferecendo ao cliente a melhor solução que engloba produto, serviços, gestão de frota, conectividade e modalidade financeira”, salienta o novo gerente.

A participação de mercado foi de 5,2%. “As 901 unidades emplacadas de 2019 consagraram o Brasil como o segundo maior mercado dentro da Scania.”

Do volume de 901 chassis emplacados, 845 foram de rodoviários (acréscimo de 20,4% sobre os 702 de 2018). A participação foi de 21,2% e a vice-liderança mais uma vez conquistada.

O mercado total de rodoviários emplacou 3.980 unidades contra as 3.320 de 2018. Acréscimo de 19,9%. “Crescemos acima do mercado”, diz. Já nos urbanos acima de 8t, a Scania emplacou 56 unidades, sendo 30 unidades do K 250UB 4×2.

No ranking de vendas Scania por modelo, o K 360 4×2 foi o campeão com 305 unidades, um incremento de 53,3% sobre as 199 do ano anterior.

“Esse produto é um sucesso. O resultado expressivo está ligado ao processo de renovação de frotas que atuam nas operações de linhas rodoviárias de curtas e médias distâncias, bem como do fretamento, que continua sua recuperação de mercado”, conta o gerente.

O segundo foi o K 440 8×2 com 245 produtos, e alta de 107,6% (118). “A Scania continua liderando o segmento 8×2, e sendo a preferida para a configuração de dois pisos (DD ou double decker). Ele oferece a melhor rentabilidade da categoria”. O terceiro foi o K 400 6×2, muito utilizado também no turismo, com 232 produtos e alta de 23,4% (188).

- Publicidade - Mercedes-Benz