sábado, 24 fevereiro , 2024
28 C
Recife

Abraciclo prevê estabilização do mercado de duas rodas em 2016

Compatível com um Setor de Duas Rodas amadurecido, mesmo enfrentado a forte crise que se estende por todos os segmentos da economia, as montadoras instaladas no Polo Industrial de Manaus – PIM se organizaram e protagonizaram, ao longo dos últimos 12 meses, investimentos equilibrados e constantes, tanto em lançamentos como em segurança e inovações tecnológicas.

Para o próximo ano, o setor espera o fim da queda do mercado de motocicletas, de acordo com levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo.

Entre janeiro e novembro de 2015 foram produzidas 1.212.075 motocicletas, volume 15% inferior ao apresentado em igual período de 2014 (1.432.842). Na comparação mensal, a queda foi de 28,2%, passado de 104.388 em outubro para 74.972 unidades em novembro. A retração com relação ao mesmo mês de 2014 (121.719) foi de 38,4%.

As vendas no atacado – para as concessionárias – registraram um recuo de 14,9% no acumulado do ano (1.120.680) em relação aos primeiros onze meses do ano passado, quando foram comercializadas 1.316.289 motocicletas. Na comparação com outubro (91.205), foi registrada uma queda de 22,8% em novembro (70.398). Em relação ao mesmo mês de 2014 (119.803), o recuo de novembro chegou a 41,2%.

No varejo, foi observado um crescimento de 18,4% no volume de motocicletas, passando de 89.020 unidades, em outubro, para 105.371 em novembro. Todavia, esta evolução leva em conta o crescente volume de ciclomotores licenciados desde a mudança na legislação, ocorrida neste semestre e que transferiu para os Estados a competência de efetuar o emplacamento destes veículos, anteriormente atribuída às prefeituras municipais.

As chamadas “cinquentinhas”, ou seja, veículos de duas rodas de até 50 cm³, deram um salto de 287% de outubro (4.691) para novembro (18.155), refletindo a nova determinação legal.

As exportações de motocicletas totalizaram 63.179 unidades de janeiro a novembro de 2015, o que representa um recuo de 23% frente a igual período de 2014, com 82.003 motos.

Em relação a outubro (10.959), as vendas externas de motocicletas em novembro registraram recuo de 42,5%, com 6.298. Frente a novembro de 2014, com 3.555 unidades, houve um crescimento de 87,7%.

Fechamento de 2015 e Projeções para 2016

Com base nos números atuais, a Abraciclo estima o fechamento de 2015 com a produção total de 1.270.000 motocicletas e vendas no atacado em torno de 1.210.000 unidades. Para a entidade, as exportações deverão atingir 73.000 motos. No varejo, a estimativa de fechamento do ano envolve 1.255.000 motocicletas.

Em suas projeções para 2016, a Abraciclo considera que a produção totalizará 1.280.000 unidades, com 1.220.000 vendas no atacado e 75.000 para exportação.

No varejo, é projetada a venda de 1.260.000 unidades. “A entidade considera que estes números – muito próximos dos observados em 2015 – podem representar o gradual fim da queda do mercado de motocicletas”, avalia Marcos Fermanian, presidente da entidade.

Reestruturação do Segmento de Bicicletas

Com o intuito de dar suporte à crescente tendência de uso dos veículos de duas rodas para a mobilidade urbana, a Abraciclo está reestruturando e fortalecendo o seu Segmento de Bicicletas, com o ingresso de três novas associadas: Houston, Sense Bike e Ox Bike. As novas associadas possuem fábricas instaladas em Manaus e se juntam à Caloi, na entidade, para o desenvolvimento de um plano de atividades específico para o segmento.

A Houston pertence ao grupo econômico do empresário João Claudino Jr., do Piauí, e é a segunda maior fabricante de bicicletas do País. Possui instalações próprias, com 185 mil m² de área total e 11 mil m² construídos, no PIM, onde foram investidos R$ 65 milhões em obras físicas, maquinário e equipamentos industriais. A capacidade total de produção é de 400 mil unidades anuais. Desde janeiro deste ano a empresa produz em Manaus bicicletas com estruturas em aço carbono, alumínio e fibra de carbono das marcas Houston e Audax, esta última correspondendo a produtos de maior valor agregado. As linhas Audax são estas: Mobility (street e off-road iniciante), nos modos Urbana e Campo; Mountain Bike, com os modelos FS, Pro – Auge, Race e Sport; e Road, com os modelos Race e Sport.

A Sense Bike é uma empresa do Grupo Lagoa, sediado em Belo Horizonte (MG) e dirigido por Henrique e Gustavo Ribeiro. O grupo investiu R$ 35 milhões para instalar sua fábrica amazonense em terreno de 17 mil m², com 8 mil m² de área construída, com capacidade de produção de 400 mil bicicletas elétricas e convencionais por ano.

A produção de bicicletas elétricas começou julho de 2014 e a de bicicletas convencionais com câmbio, em dezembro daquele ano. As bicicletas elétricas fabricadas pela empresa atendem plenamente às determinações da Resolução Contran nº 465/13. Na sua linha de produtos, entre as bicicletas convencionais está a Extreme, com aro 26’, e a Impact 29, esta com aro 29’. Na linha de elétricas há três modelos: Easy (dobrável, com aro 20’), Breeze (aro 26’) e Wind (aro 26’, mais robusta) – todas com motor de 250 W, bateria de 36 V / 10 Ah, carregador bivolt 110/220 e velocidade máxima de 25 km/h.

A Ox Bike já se encontrava em operação no PIM desde o início desta década e em dezembro de 2014 teve seu controle adquirido pelo grupo Isapa, do empresário Isacco Douek, recebendo investimento adicional de R$ 5 milhões. Produz bicicletas a partir de tecnologia própria em instalações de 5,2 mil m², no Distrito Industrial II do PIM.

Suas bicicletas têm estruturas em aço carbono, alumínio e fibra de carbono. Atualmente, a principal linha é a Oggi, de maior valor agregado. Além dela, há as linhas Top Bike e Decathlon. A capacidade instalada permite a produção de 240 mil bicicletas por ano.

A Caloi é a maior fabricante de bicicletas do Brasil e integra o grupo multinacional Dorel. Pelo grupo, também produz em Manaus as bicicletas das marcas GT, Cannondale, Mongoose e Schwinn, além de sua própria linha de produtos.

 

2015 – Ano da Segurança

Durante o ano, a Abraciclo atuou em diversas frentes visando à fomentação do mercado, além de estabelecer um debate harmônico com os outros segmentos, a fim de buscar soluções para um trânsito mais seguro.

Entre estas ações ganharam destaque suas participações no Fórum Via Futuro, realizado pelo Departamento Nacional de Trânsito – Denatran, 2ª Conferência Global de Alto Nível Sobre Segurança no Trânsito da Organização das Nações Unidas – ONU e Seminário Urbanidade, promovido pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, além da realização de um encontro com a Associação Internacional de Fabricantes de Motocicletas – IMMA para o alinhamento de posicionamentos e a possibilidade de ações conjuntas no cenário internacional.

Focada em ações de conscientização, a Abraciclo promoveu a 19ª edição do MotoCheck-Up, o maior programa setorial da América Latina para a orientação de motociclistas, desta vez em Teresina (PI), e realizou 15 palestras gratuitas em sete escolas de ensino médio de São Bernardo do Campo e Santo André, no ABC Paulista, assim como na capital piauiense. Ao todo, cerca de 2,5 mil jovens foram beneficiados com as informações de segurança.

Matérias relacionadas

Mais recentes

Destaques Mecânica Online

Avaliação MecOn