quinta-feira, 13 junho , 2024
28 C
Recife

McLaren Solus GT, a expressão extrema do engajamento na condução em pista

Primeira realização mundial, exclusiva para pista, do conceito McLaren que estreou no mundo dos jogos virtuais

A McLaren Automotive revelou o McLaren Solus GT, a impressionante realização de um carro-conceito vindo das telas das corridas virtuais em uma expressão extrema de engajamento na pista que irá instigar o mundo real.

- Publicidade -

Feito especialmente para apenas 25 clientes (com todos os carros já vendidos), o carro de pista de cabine fechada e assento único foi apresentado durante a Monterey Car Week, na Califórnia, por Michael Leiters, CEO da McLaren Automotive.

Projetado para a realidade, aproveitando toda a experiência e conhecimento da McLaren nos mais altos níveis de automobilismo e desenvolvimento de supercarros e hipercarros, o Solus GT dá vida ao conceito futurista da McLaren que apareceu no videogame Gran Turismo SPORT.

Com menos de 1.000 kg de peso e com desempenho aerodinâmico incluindo carga aerodinâmica superior a 1.200 kg, o Solus GT – que é alimentado por um motor V10 de 5,2 litros naturalmente aspirado – é capaz de fazer os tempos de volta mais rápidos de qualquer McLaren (com exceção dos momopostos de corrida) e oferece uma experiência de condução próxima do envolvimento e da sensação de dirigir um carro de Fórmula 1.

“O McLaren Solus GT é a realização de um veículo conceito radical da McLaren originalmente criado para o mundo das corridas virtuais. Projetado sem restrições de regulamentos de estrada ou corrida, mas com todo o espectro da experiência da McLaren para trazê-lo à realidade, ele simboliza nosso espírito pioneiro.” Michael Leiters, CEO da McLaren Automotive

- Publicidade -

O impressionante design exterior, notavelmente fiel à sua inspiração virtual, é baseado em princípios aerodinâmicos comprovados e no espírito de design “tudo por uma razão” da McLaren, aprimorado por CFD (Computational Fluid Dynamics) adicional e pesquisa aerodinâmica em túnel de vento.

A lista de características externas é longa, com o dossel deslizante acima do assento único central sendo um dos mais marcantes.

As rodas são envoltas em cápsulas aerodinâmicas e ligadas a braços de suspensão. Um grande divisor dianteiro envia ar para túneis de efeito solo antes de sair do carro por um difusor completo.

Uma entrada de ar inspirada no automobilismo acima do cockpit, integrada ao design, envia ar frio ao motor, ao mesmo tempo em que fornece um som de indução envolvente. O design dos carros de corrida também inspirou os sidepods que abrigam os radiadores do Solus GT.

Uma asa traseira fixa de dois elementos é a chave para um valor de carga aerodinâmica que excede o peso total do carro.

- Publicidade -

A relação de carga aerodinâmica para arrasto também é otimizada, auxiliando no desempenho em linha reta e aprimorando as habilidades nas curvas.

A experiência do Solus GT começa antes mesmo de o motor ser ligado, com o motorista abrindo a distinta capota do cockpit que desliza para frente por um arco raso para permitir o acesso.

Isso não é nada parecido com uma porta de carro convencional nem com as portas diédricas de outros carros da McLaren: é mais parecido com entrar em um avião de combate a jato.

A maneira de entrar no carro aumenta a sensação proporcionada pelo assento único que domina um interior focado exclusivamente no motorista e no desempenho.

A posição do assento é fixa (os 25 proprietários do Solus GT moldam seu próprio assento, assim como acontece nas categorias de topo) e a caixa de pedais é ajustável como em um carro de corrida, mas com a conveniência de isso ser feito por meio de um sistema remoto operado a partir da posição do assento.

O volante – cujo design é único entre os carros de rua da McLaren – é inspirado no da Fórmula 1, com display de painel e controles essenciais integrados para se adequar aos limites apertados de um carro de pista monolugar.

Além do volante, há uma visão através da “bolha” de vidro, com proteção estilo halo integrada ao cockpit, na qual há uma tela de visão traseira alimentada por uma câmera grande angular colocada dentro do aro de proteção.

Para aumentar ainda mais a alegria dos clientes do Solus GT, a McLaren está oferecendo uma “experiência de piloto de corrida” completa.

Isso inclui um assento de piloto moldado individualmente, um macacão de corrida homologado pela FIA, capacete e dispositivo HANS feitos sob medida para cada proprietário e fones de ouvido habilitados para rádio.

Um programa completo de treinamento de desenvolvimento de pilotos também estará disponível para ajudar os clientes a explorar plenamente o potencial de seu novo hipercarro de pista.

O Solus GT é alimentado por um exclusivo motor V10 de 5,2 litros, construído com componentes usinados de baixo volume, que atinge mais de 10.000 rpm e oferece desempenho extremo e envolvimento emocionante ao piloto.

A capacidade de resposta do motor é aprimorada pelo uso de aceleradores acionados por tubo para cada cilindro (um sistema adequado apenas para aplicação em pista) e é totalmente acionado por engrenagens, sem correntes, correias para árvore de cames ou sistemas auxiliares.

Além de ter potência e torque superiores (respectivamente, 840 cv e 650 Nm), o motor também foi escolhido por suas qualidades estruturais.

Pela primeira vez em um carro de produção da McLaren, o motor é parte integrante do chassi.

Prática convencional na construção de carros de corrida, esta abordagem de design otimiza a redução de peso, eliminando a necessidade de estruturas de chassi ou subquadros adicionais atrás do monocoque de fibra de carbono.

A caixa de câmbio sequencial de sete marchas derivada da corrida apresenta fundição e carcaça feitas sob medida (esta última fabricada em alumínio com painéis de magnésio) e é montada na parte traseira do motor, com a suspensão traseira sendo fixada na carcaça da caixa de câmbio.

Internamente, as engrenagens de corte reto, engatadas por meio de uma embreagem de fibra de carbono multidisco, são ideais para as mudanças agressivas exigidas em uma aplicação em pista.

O sistema é totalmente automatizado e controlado por software, eliminando a necessidade de o piloto operar a embreagem, auxiliando na saída do pit-lane.

Em comum com todos os McLaren construídos desde 1981, o Solus GT é baseado em um monocoque de fibra de carbono, neste caso criado usando métodos especializados de produção de baixo volume, incluindo um processo de carbono “pré-impregnado” para maior resistência estrutural e alta uniformidade de acabamento ao material.

As estruturas do chassi (dianteira e traseira) também são feitas de fibra de carbono, com o motor e a caixa de câmbio formando o restante do chassi.

A fibra de carbono não é o único material de alto valor no Solus GT. Abraçando ainda mais as tecnologias usadas nos principais níveis do automobilismo, componentes de titânio impressos em 3D foram usados para a estrutura de proteção do cockpit de halo e o aro de proteção.

Esta é a primeira vez que a abordagem foi adotada para elementos estruturais em um carro de produção da McLaren, permitindo um design personalizado e reduzindo o peso.

O sistema de suspensão incorpora triângulos duplos com amortecimento interno da barra de torção, operado por pushrods (hastes) na frente e pullrods (tirantes) na traseira.

Ambos os eixos são ligados por barras estabilizadoras, com opções de ajuste disponíveis para o motorista.

Fabricados em aço para maior durabilidade, os elos da suspensão dianteira são envoltos em coberturas aerodinâmicas de fibra de carbono semelhantes à abordagem na Fórmula 1.

Alojados dentro das cápsulas de rodas distintivas estão rodas de alumínio forjado de 18 polegadas com porcas de travamento central, calçadas com pneus de especificação Le Mans Prototype, disponíveis em compostos slick e ranhurados.

A frenagem é fornecida por pinças de alumínio usinadas em monobloco de 6 pistões e discos e pastilhas de freio de carbono. O balanço entre os freios dianteiro e traseiro pode ser ajustado no cockpit pelo motorista.

As métricas de desempenho tradicionais não são tão relevantes para um carro de pista, mas com um tempo alvo de 2,5 segundos para aceleração de 0 a 100 km/h e uma velocidade máxima de mais de 320 km/h, em combinação com o peso leve do carro e fortes habilidades aerodinâmicas, o McLaren Solus GT tem as credenciais de desempenho necessárias para ser uma máquina de pista extrema.

Ao incorporar todos os elementos que tornaram a McLaren uma força automotiva mundial, o Solus GT também é uma vitrine para o artesanato disponível para os clientes da McLaren da McLaren Special Operations (MSO).

Com um projeto como este, o serviço MSO vai além do carro em si para níveis de envolvimento do cliente e acessibilidade exclusivos da McLaren.

Um processo personalizado garante que cada Solus GT seja único e atualizações regulares no programa de desenvolvimento, incluindo acesso a sessões de condução de protótipos que podem influenciar as características de condução do carro antes da produção, são oferecidas.

Eventos de pista do Solus GT estão planejados e todos os carros serão entregues com um estojo para permitir que os proprietários apoiem suas próprias atividades de pista.

Isso inclui um conjunto abrangente de ferramentas, macacos para veículos, suportes, conjuntos de rádio e um pré-aquecedor de líquido refrigerante.

O McLaren Solus GT está atualmente na fase de testes de pista de seu processo de desenvolvimento. Os primeiros 25 carros de clientes – todos vendidos – serão entregues em 2023.

O McLaren Solus GT em detalhes
Um conceito para o mundo virtual se torna realidade

As raízes do McLaren Solus GT estão em um conceito impressionante que apareceu no videogame Gran Turismo SPORT.

Desde os esboços de design original até o triunfo dos jogos virtuais e agora a máquina surpreendente da qual alguns clientes exclusivos desfrutarão na pista, este é um carro que resume a filosofia de design “tudo por uma razão” e a busca incansável pela excelência em engenharia dentro de cada McLaren. Desde o início, o conceito foi baseado em princípios aerodinâmicos comprovados, com um pacote de carro de corrida esporte-protótipo como base.

A carroceria é uma escultura técnica esculpida sobre o pacote de engenharia de alto desempenho e os dois túneis de efeito solo que acompanham o comprimento do veículo.

Eles contêm entradas de ar distintas na frente e um duto NACA (uma entrada de ar de baixo arrasto) que também atua como um degrau, acelerando o fluxo de ar para os radiadores.

Na frente, o nariz característico da McLaren em forma de “cabeça de martelo” ajuda a separar o fluxo de ar do efeito solo da parte inferior da carroceria e do difusor de comprimento total.

A visibilidade da tela do dossel envolvente do cockpit em forma de lágrima é excelente, com uma visão de 180 graus da pista.

As cápsulas das rodas em cada canto são mais que um recurso de design dominante: elas permitem redução geral de peso e “trabalham” individualmente o fluxo de ar com uma forma distinta de gota que termina em uma borda traseira em forma de lâmina para acalmar o ar turbulento na esteira de cada pneu e mitigar o acúmulo de pressão dentro da cavidade da roda.

A parte traseira do carro possui uma concha completa que fornece fácil acesso ao compartimento do motor, com bordas de carroceria extremamente baixas que empregam os mesmos princípios do Speedtail para minimizar a pressão de base na parte traseira do carro, reduzindo o arrasto aerodinâmico.

Transformando um projeto virtual em realidade extrema – O resumo de engenharia original do McLaren Solus GT era transformar um carro conceito de jogo virtual de prestígio em um hipercarro extremamente potente e altamente exclusivo da McLaren. Este era para ser um carro apenas para pista, com a experiência em engenharia de automobilismo e um trem de força V10 se unindo para oferecer o envolvimento supremo do piloto exigido para uma experiência sem compromissos.

O motor derivado de corrida foi escolhido por razões de conjunto e desempenho. Um carro de pista baixo, com peso mínimo e carroceria retrátil, significava que ter o motor como parte do chassi era uma escolha natural.

Essa técnica de construção raramente é vista em carros de rua por razões de ruído, vibração e aspereza (NVH, na sigla em inglês), mas em um carro focado para pista oferece muitos benefícios, além de feedback adicional e envolvimento emocionante para o motorista.

Uma vez que os parâmetros do programa foram definidos, a equipe de engenharia enfrentou o desafio de integrar o desempenho aerodinâmico do mundo real às superfícies do projeto original.

Isso foi resolvido com extensa dinâmica de fluidos computacional (CFD) e trabalho em túnel de vento para provar as propriedades aerodinâmicas, de resfriamento e eficiência do conceito.

Projeto e construção de chassis inspirados nas corridas – Como todos os McLaren construídos nos últimos 40 anos, o Solus GT apresenta em seu coração um monocoque de fibra de carbono.

No entanto, o cockpit de assento único e os processos de engenharia baseados na produção em série exigiram uma abordagem sob medida, abrangendo as diferentes disciplinas de competição e construção de carros de rua, e o design resultante se inspira mais no automobilismo esportivo do que em outros produtos da McLaren Automotive, com o monocoque usando tecnologias de chassi da Fórmula 1 e de carros esporte-protótipo.

As estruturas de impacto (dianteira e traseira) são feitas de fibra de carbono – tradicionalmente, as estruturas do chassi da McLaren Automotive apresentam estruturas de alumínio fixadas na célula do passageiro.

Com o motor e a caixa de câmbio integrando o chassi, não há necessidade de um subchassi traseiro.

A construção do chassi emprega métodos de produção especializada de baixo volume que incluem um processo de carbono pelo qual a fibra de carbono é pré-impregnada com um sistema de resina que simplifica o processo de cura.

O material é pronto para ser colocado no molde antes que o tratamento de calor e pressão seja aplicado, permitindo a maior resistência estrutural exigida por um carro somente para pista.

O processo também permite uma alta uniformidade de acabamento ao material, o que aumenta o apelo visual.

O chassi do Solus GT também possui componentes de titânio impressos em 3D, incluindo a estrutura do halo proteção do cockpit de halo e o arco de proteção.

Embora usado anteriormente pela McLaren Automotive (principalmente para o sistema de escapamento do Elva), este é o primeiro uso da tecnologia para componentes estruturais em um carro de produção da McLaren e demonstra o foco absoluto aplicado para encontrar as melhores soluções para o Solus GT.

Carroçaria e aerodinâmica refinadas e otimizadas – Apesar da liberdade que a equipe de desenvolvimento desfrutou ao explorar os limites das possibilidades para o Solus GT como carro de pista, o design exterior do conceito de realidade virtual impôs restrições sobre o que poderia ser feito se o carro real mantivesse o “fator uau” do carro que apareceu no Gran Turismo SPORT.

Como convém a um carro ultraleve apenas para pista, a carroceria do Solus GT é feita de fibra de carbono.

As formas complexas e as linhas curvas foram alcançadas sem as penalidades de peso que viriam do uso de painéis metálicos convencionais. A forma destes foi aperfeiçoada (ironicamente na realidade virtual) para garantir a estabilidade e maximizar a eficiência aerodinâmica tanto para a velocidade em linha reta quanto para a força descendente.

Um grande divisor frontal alimenta o ar em túneis de efeito solo em todo o piso estrutural, que foi projetado para aceitar altas cargas aerodinâmicas.

O ar sai do carro por um difusor completo. As rodas dianteiras estão fora da carroceria principal, com os braços da suspensão expostos ao fluxo de ar e envoltos em fibra de carbono de formato aerodinâmico que direciona o ar para os radiadores montados no sidepod.

A localização dos sidepods dos radiadores de alta temperatura é diretamente inspirada no automobilismo, fornecendo uma solução de refrigeração direta para os fluidos do motor e reduzindo a área da superfície frontal.

Uma entrada de ar inspirada no automobilismo acima do cockpit, que é integrada ao design da tampa do aro, recebe ar frio e com fluxo acima do carro, ao mesmo tempo em que cria um som de indução do motor agradavelmente envolvente.

A asa traseira fixa de dois elementos é uma das características visuais mais distintas do Solus GT.

Projetado para maximizar a força descendente sobre a traseira do carro, ela funciona em conjunto com a combinação de efeito solo de alta carga aerodinâmica e baixa sensibilidade de inclinação do sistema de suspensão derivado do automobilismo, para eliminar a necessidade de asas dianteiras ou traseiras ativas e assim ajudar a manter o peso baixo.

No geral, o pacote aerodinâmico de carga aerodinâmica excede o peso total do carro, mas a relação entre força descendente e arrasto também é otimizada, auxiliando no desempenho em linha reta e melhorando as velocidades nas curvas.

Interior de assento central único – A experiência de condução do Solus GT McLaren começa antes mesmo de o motor V10 ser ligado: simplesmente entrar no cockpit é um evento em si. Em vez das portas diédricas da McLaren, um dossel deslizante – mais parecido com o de um jato de combate – é aberto usando uma alavanca mecânica.

O dossel com mola se move por meio de um arco raso, levantando-se do cockpit e deslizando para frente para permitir fácil acesso ao assento do motorista.

As recentes inovações tecnológicas de segurança dos principais níveis do automobilismo estão integradas no design, com o dossel sendo reforçado por uma estrutura de estilo halo para proteger o motorista.

Uma escotilha de escape também foi construída no dossel para permitir uma saída segura da cabine, caso o mecanismo deslizante esteja obstruído.

O interior foi construído especificamente para um desempenho de pista extremo; um proprietário pode especificar seu carro com um ambiente totalmente personalizado, mas permanecerá focado na experiência de direção.

O assento moldado é equipado com cinto de segurança de 6 pontos e é fixo em sua posição. A caixa de pedais, por sua vez, é ajustável como em um carro de corrida, mas com a conveniência de poder ser operada com o piloto sentado.

Para garantir que o assento único seja perfeito para o cliente, a MSO adotou um processo vindo do automobilismo − mais um exemplo de toda a experiência da McLaren disponível para o Solus GT.

Um sistema à base de resina fenólica com tecnologia avançada de microesferas é usado para criar um molde a partir do qual o assento é criado, garantindo, por sua vez, que o piloto permaneça confortável no carro durante as sessões de condução mais intensas.

Quase todos os comandos estão concentrados no volante, que é construído em fibra de carbono.

Inspirado diretamente no automobilismo, todas as funções essenciais são facilmente alcançadas com as duas mãos no volante.

Um sistema de ar HVAC completo também mantém o motorista totalmente alerta durante toda a experiência de direção.

Acima da cabeça do motorista estão os interruptores para a ignição do veículo e o extintor de incêndio de emergência.

Essa área também abriga a tela de visão traseira, transmitida em tempo real a partir de uma câmera localizada no aro atrás da cabeça do motorista.

A câmera grande angular fornece uma visão traseira abrangente da pista para permitir que o tráfego passe em uma volta de desaceleração ou ajude nas manobras de pit-lane.

Trem de força com pedigree de automobilismo comprovado – O motor V10 de 5,2 litros especificado para impulsionar o McLaren Solus GT é incorporado à estrutura do chassi do veículo.

A cilindrada do motor é exclusiva do Solus GT, assim como a entrada de ar e o sistema de exaustão. O sistema de indução direciona o ar para os aceleradores de tubo que são individuais para cada cilindro − uma tecnologia que não é adequada para uso em estrada, mas oferece vantagens claras no desempenho do motor, incluindo melhor resposta do acelerador.

O motor também incorpora componentes usinados de baixo volume otimizados para desempenho e é totalmente acionado por engrenagens; não há correntes ou cintos para sistemas auxiliares.

A potência é superior a 840 cv, com o benefício total do efeito fornecido pela alta entrada de ar e pelo motor que ultrapassa 10.000 rpm. O torque máximo é superior a 650 Nm.

O desempenho resultante é um tempo de aceleração alvo de 2,5 segundos de 0 a 100 km/h e uma velocidade máxima superior a 320 km/h, apesar do Solus GT gerar carga aerodinâmica que excede seu peso.

Caixa de velocidades de competição – O Solus GT possui uma caixa de câmbio sequencial de sete marchas, com componentes internos testados em corrida localizados dentro de uma carcaça fundida sob medida, projetada como ponto de montagem para a suspensão traseira.

A carcaça é feita de alumínio, com painéis de magnésio otimizando o peso.

Originalmente projetado para aplicação em carros esporte LMP (Le Mans Prototype), os componentes internos da caixa de câmbio incluem engrenagens de corte reto, uma tecnologia geralmente não incorporada em carros de produção por motivos de refinamento de ruído, vibração e aspereza, mas reconhecida por fornecer maior eficiência do que engrenagens de corte helicoidal em um carro de pista de alto desempenho.

A caixa de câmbio é acionada por uma embreagem de fibra de carbono projetada para complementar a estratégia agressiva de troca de marchas exigida em uma aplicação em pista.

No entanto, também é totalmente automatizado e controlado por software (eliminando a necessidade de um pedal ou controle de embreagem operado por alavanca) para ajudar o piloto ao se afastar do pit-lane.

Design de suspensão focado na pista – O McLaren Solus GT foi projetado desde o início como um carro somente para pista e sua suspensão segue os princípios da engenharia do automobilismo, começando pelas rodas ancoradas por braços duplos.

Com as rodas dianteiras montadas fora do corpo principal, o amortecimento dianteiro é interno com pushrods operando barras de torção e amortecedores de canto.

Na traseira, as barras são ligadas a pullrods e a suspensão traseira é montada na carcaça da caixa de velocidades.

Os triângulos e hastes são fabricados em aço para maior durabilidade, mas os elos da suspensão dianteira são envoltos em coberturas de fibra de carbono para eficiência aerodinâmica.

O sistema também incorpora molas de altura de deslocamento e um sistema de mola e amortecedor. Isso é empregado para fornecer rigidez em velocidade limitando o movimento vertical; o efeito disso é criar um perfil aerodinamicamente mais estável, tornando mais previsível o comportamento dinâmico do carro em alta velocidade e, portanto, aumentando a confiança do piloto.

Alojados dentro das cápsulas de rodas distintas estão rodas de alumínio forjado de 18 polegadas com porcas de travamento central, calçados com pneus de especificação Le Mans Prototype disponíveis em compostos slick e ranhurados.

A frenagem é fornecida por pinças de alumínio usinadas em monobloco de 6 pistões com discos e pastilhas de freio de carbono. O viés entre os freios dianteiro e traseiro pode ser ajustado pelo motorista no cockpit.

Cada eixo é ligado por barras estabilizadoras. Ambas são ajustáveis.

A jornada completa – e sob medida – do cliente MSO

O Solus GT mostra o nível de artesanato disponível para os clientes da McLaren por meio da McLaren Special Operations.

Desde o início do processo de desenvolvimento, foram feitas apresentações individuais aos clientes que desejavam garantir um dos 25 carros disponíveis.

Anteriormente, isso acontecia apenas para os compradores do McLaren Sabre, um carro homologado apenas para o mercado dos Estados Unidos. Sendo o Solus GT um produto somente para pista, a base de clientes é global.

Os 25 depositantes do Solus GT também estiveram envolvidos nos detalhes mais sutis do desenvolvimento do carro do mundo virtual para o mundo real, com o novo software desenvolvido pela MSO no centro da realização da visão de cada cliente.

Essa abordagem personalizada e individual reflete uma acessibilidade íntima à McLaren que vai além dos níveis usuais de experiência e envolvimento de luxo.

Matérias relacionadas

Site oficial de ofertas Chevrolet

Mais recentes

Ofertas Peugeot 208

Destaques Mecânica Online

Fiat Toro

Avaliação MecOn

SACHS - Versátil, abrangente e convincente