Esclareça as principais dúvidas sobre carregadores por indução em veículos

Alguns veículos de montadoras como GM, Volvo, Hyundai e JAC Motors trazem na lista de equipamentos um item que ainda desperta curiosidade: o carregador por indução.

No mercado há aproximadamente cinco anos, o componente integra uma das áreas de negócios da Aptiv, empresa de tecnologia global focada em soluções para o futuro da mobilidade.

Trata-se de um equipamento que recarrega a bateria de smartphones via wireless, ou seja, sem fios.

A base de carregamento é formada por bobinas de arame que, por sua vez, criam um campo eletromagnético quando a corrente elétrica passa por elas.

Para recarregar, basta posicionar o aparelho sobre a superfície do carregador, que é ativado automaticamente.

Porém, o smartphone precisa possuir tecnologia compatível.

Também é importante que o aparelho esteja em contato direto com a respectiva base, sem interferência de capas ou outros objetos que possam obstruir a conexão.

Existem diferentes padrões para esta tecnologia: Qi, PMA e A4WP, sendo que o carregador por indução da Aptiv é compatível com todos.

Entre as vantagens do sistema wireless estão a possibilidade de extinção de fios e cabos durante o carregamento, além da compatibilidade com aparelhos de diferentes marcas, tamanhos e modelos, de iOS a Android, independentemente do tipo de plugue.

A Aptiv acredita que carregadores por indução devem ter produção em larga escala a curto prazo.

“A demanda deve crescer significativamente nos próximos dois ou três anos, quando novos modelos, e gerações atualizadas de veículos, chegarão ao mercado nacional. Até mesmo modelos populares, que terão uma central multimídia mais avançada, deverão adotar o sistema de recarga sem fio em breve”, defende Thiago Pellegrini, Gerente de Negócios/Programas da Aptiv.

- Publicidade - Mercedes-Benz