sábado, 20 julho , 2024
28 C
Recife

Indústria automobilística se prepara para fim de ano de baixa produção e fábricas fechadas

Enfrentamos uma pandemia e agora um cenário de escassez de semicondutores e chips que vai resultar num cenário muito ruim para o segmento automotivo brasileiro, o que não é muito diferente em todo o mundo.

E os fabricantes automotivos procuram alternativas como períodos de férias coletivas, antecipação de feriados e folgas aos funcionários para driblar a crise da falta de componentes, especialmente de semicondutores.

- Publicidade -

E o cenário do final de ano não é nada bom. A opção voltou a ser o lay-off (suspensão de contratos de trabalho), que permite períodos mais longos de dispensas. Também estão nos acordos com os funcionários programas de demissão voluntária (PDV) e redução de jornada e salários.

A Renault inicia outubro com um PDV para 250 funcionários da fábrica de São José dos Pinhais (PR) e vai colocar outros 300 em lay-off inicialmente por cinco meses. O complexo emprega 6.450 trabalhadores, cerca de 5 mil deles na área de produção.

Segundo comunicado a Renault informa que as medidas foram aprovadas em assembleia dos trabalhadores e são resultado dos “impactos provocados pela covid-19 na fabricação de componentes eletrônicos e da falta de perspectiva de melhora do cenário global”.

Matérias relacionadas

Ofertas Peugeot 208

Mais recentes

Clínica de Serviços Chevrolet

Destaques Mecânica Online

Com a Volvo rumo ao Zero Acidentes – Itapemirim

Avaliação MecOn

FIAT na mão