quarta-feira, 24 julho , 2024
28 C
Recife

Primeiro Baja movido a hidrogênio do mundo foi apresentado em Competição Fórmula SAE Brasil

O evento, que contou com o apoio da Air Products Brasil, reuniu estudantes de ensino superior para aplicação de hidrogênio nos veículos Baja e Fórmula SAE

A Competição Fórmula SAE Brasil – Total Energies, primeira edição presencial do evento, após dois anos no formato virtual, teve o primeiro Baja (tipo de modificação feita sobre o chassi do Fusca), movido a hidrogênio do mundo funcionando.

O projeto Júpiter, dos alunos da Equipe Unicamp Baja SAE, surgiu por causa do desafio proposto em 2020, voltado para a construção de veículos movidos a células de hidrogênio.

- Publicidade -

O Júpiter é um veículo off-road que detêm as vantagens de um veículo elétrico, mas sem a necessidade de longos períodos de abastecimento e grandes packs de bateria, uma vez que utiliza como principal fonte de potência elétrica para o carro uma Célula de Hidrogênio.

“A inspiração para o nome é o maior planeta do sistema solar, composto por 85% de hidrogênio. Nosso desenvolvimento envolve intensa integração entre diversas tecnologias fundamentais para seu funcionamento e contamos com o Fundo Patrimonial dos Patronos para os investimentos, cursos e tutoriais com os professores, a fim de arrecadar fundos para os componentes”, conta Alessandro Forgioni Buccioli, capitão da equipe.

“Foi muito importante o apoio do comitê da SAE e a ajuda da Air Products, em especial com relação à doação e procedimentos de segurança para o uso do hidrogênio e estamos muito confiantes no nosso projeto e no potencial do hidrogênio para o futuro da mobilidade”, completa.

- Publicidade -

Para Janito Vaqueiro Ferreira, professor adjunto da Faculdade de Engenharia Mecânica Unicamp, o desafio foi enorme e importantíssimo para os estudantes.

“Estou no Baja há cerca de 20 anos e fico fascinado ao ver o progresso de cada um no decorrer no processo. Para eles é um grande aprendizado, em especial no uso do hidrogênio e das ferramentas que ensinamos no curso.”

O projeto SAE BRASIL Student H2 Challenge representa uma iniciativa pioneira, na qual estudantes de ensino superior tiveram a oportunidade de trabalhar com tecnologia de ponta e interagir com engenheiros experientes das indústrias nacional e internacional, na aplicação de hidrogênio nos veículos Baja e Fórmula SAE.

- Publicidade -

A competição entre estudantes, organizados em equipes e supervisionados por professores orientadores, contemplou todo o ciclo de desenvolvimento de um produto, desde a fase de concepção até a entrega final.

Os temas selecionados foram: veículos elétricos a hidrogênio, tecnologia de célula a combustível, segurança do hidrogênio, fontes de produção de hidrogênio, tendências internacionais da mobilidade a hidrogênio, design, abastecimento de hidrogênio, transformação energética, entre outros.

Para Ronaldo Bianchini, gerente geral da SAE Brasil, a mobilidade a hidrogênio é o futuro e o evento oferece essa oportunidade de formar esses profissionais por meio de um conhecimento único, que se dá por meio de aprendizado e execução.

“Estamos cumprindo o nosso propósito, como casa do conhecimento para esses jovens, porém sem o apoio das empresas parceiras não seria possível”, afirma.

Monica Saraiva Panik, mentora da Mobilidade a Hidrogênio da SAE Brasil, diretora institucional da ABH2 (Associação Brasileira de Hidrogênio) e curadora do BW Expo Summit Digital, agradece a Air Products pela doação do hidrogênio para esta primeira competição e afirma que para o próximo ano pretende abastecer os veículos no local, a partir de uma estação.

“Vamos mostrar a todo o Brasil que é um abastecimento seguro, que qualquer pessoa pode fazer. Eu já estou até sonhando com esse abastecimento”, conta.

Daniel Bueno Silveira Lima, engenheiro de desenvolvimento de produto da Embraer e organizador SAE Brasil, afirma que o desafio de criar a tecnologia para a competição de veículos movidos a hidrogênio, categorias Baja e Fórmula, foi muito importante para ter acesso aos especialistas e pelo aprendizado para trabalhar com o hidrogênio, um gás muito potente, capaz de acumular muita energia, mas que exige cuidados com a segurança.

“Estamos conseguindo provar aqui na competição que é possível, já que o hidrogênio permite uma autonomia maior e tem alta capacidade armazenada de energia, apesar do peso menor. Isso leva a um grande ganho de eficiência, com um pacote de baterias praticamente desprezível comparado ao carro 100% elétrico”, explica.

Segundo Edson Basílio, gerente de aplicações e desenvolvimento da Air Products, foi muito gratificante participar do evento.

“Ser pioneiro nesse mercado tão importante, uma vez que o hidrogênio é o combustível do futuro, mostra o potencial da Air Products como fornecedora para movimentar os carros com baixa emissão de carbono”, conclui.

Matérias relacionadas

Ofertas Peugeot 208

Mais recentes

Clínica de Serviços Chevrolet

Destaques Mecânica Online

Com a Volvo rumo ao Zero Acidentes – Itapemirim

Avaliação MecOn

FIAT na mão