segunda-feira, 26 fevereiro , 2024
28 C
Recife

Com 500 cv, Volvo apresenta caminhão a biogás liquefeito para viagens mais longas na Europa

São três caminhos da Volvo Trucks para atingir emissões zero: caminhões elétricos a bateria, caminhões a célula de combustível e motores de combustão que funcionam com combustíveis renováveis ​​como biogás, HVO ou mesmo hidrogênio verde

A Volvo Trucks está lançando um novo caminhão movido a gás que também pode funcionar com biogás liquefeito. O novo caminhão pode realizar tarefas exigentes de transporte de longa distância, ao mesmo tempo em que reduz as emissões gerais de CO2.

Cinco anos atrás, a Volvo Trucks lançou seus caminhões que podem funcionar com biogás liquefeito, muitas vezes chamado de bio-GNL, que é um combustível renovável que pode ser produzido a partir de vários tipos de resíduos orgânicos, incluindo restos de comida. O combustível pode reduzir as emissões de CO2 em até 100%.

“O biogás é um ótimo complemento para os transportes elétricos, ajudando os transportadores com suas ambições de sustentabilidade e objetivos de transportes neutros para o clima”, diz Daniel Bergstrand, gerente de produto para caminhões movidos a gás da Volvo Trucks.

Os caminhões movidos a gás, Volvo FH e FM, recebem um novo nível de potência de 500 cv, juntando-se aos anteriores motores de 420 e 460 cv. Os motores a gás também recebem grandes atualizações técnicas que os tornam até 4% mais eficientes em termos de consumo de combustível**, o que, juntamente com um novo tanque de gás 10% maior, contribui para uma maior autonomia.

“Nossos caminhões eficientes movidos a gás têm um desempenho comparável aos seus equivalentes a diesel. O abastecimento é quase tão rápido quanto um caminhão a diesel e a crescente rede de mais de 600 postos de abastecimento para bio-GNL e GNL na Europa os torna ideais para transportes de longa distância”, explica Daniel Bergstrand.

Nenhuma solução única pode resolver a mudança climática – A linha reforçada movida a gás se encaixa bem no roteiro estratégico de três caminhos da Volvo Trucks para atingir emissões zero: caminhões elétricos a bateria, caminhões a célula de combustível e motores de combustão que funcionam com combustíveis renováveis ​​como biogás, HVO ou mesmo hidrogênio verde.

“Várias soluções técnicas são necessárias porque a disponibilidade de infraestrutura de energia e combustível difere muito entre países e regiões, e também porque os requisitos para cada atribuição de transporte podem variar”, comenta Daniel Bergstrand.

Planos maciços para substituir o GNL fóssil por bio-GNL na Europa – Espera-se que a produção europeia de bio-GNL aumente rapidamente para se afastar do uso de GNL fóssil.

A Comissão da UE apresentou um plano chamado REPower EU, onde o foco está na criação de uma capacidade de produção doméstica muito maior para diferentes tipos de energia.

O plano é aumentar em dez vezes a produção anual de biogás até 2030* e o setor já iniciou uma fase de rápido crescimento. Também fora da Europa, o potencial de biogás está ganhando interesse.

Fatos sobre os caminhões movidos a gás da Volvo:
Modelos do produto: Volvo FH, FM e FMX (a pedido).
Níveis de potência: 420, 460 e 500 cv.
Combustível: bio-GNL (biogás liquefeito) ou GNL. Uma pequena quantidade de diesel ou HVO é usada para inflamar o gás. Autonomia: até 1000 km.

Fatos sobre o gás liquefeito – O Bio-GNL (também chamado GBL) é um combustível renovável que é o biogás líquido (biometano). Qualquer resíduo orgânico pode ser digerido para produzir biogás, por exemplo, lodo de estações de tratamento, restos de alimentos, estrume e outros produtos residuais.

O GNL (Gás Natural Liquefeito) é um gás fóssil (metano) extraído de reservas subterrâneas ou submarinas.

O processo de liquefação do biogás é o mesmo do GNL; o gás é resfriado a –162 °C. O combustível ocupa significativamente menos espaço, o que permite trazer uma quantidade muito maior de energia a bordo do caminhão, o que aumenta significativamente o alcance.

O objetivo da Comissão da UE (REPower EU) é aumentar a produção anual de biogás em dez vezes, para 35 bilhões de metros cúbicos até 2030*. Mais de 78 usinas de bio-GNL já estão confirmadas para estarem prontas na Europa até 2024. A Alemanha e a Itália, juntamente com a Holanda, deverão ser os principais países de bio-GNL nos próximos anos.

  • EBA (European Biogas Association) Relatório Estatístico 2022.

** O desempenho e a autonomia do combustível no mundo real podem variar dependendo de muitos fatores, como velocidade de direção, uso do controle de cruzeiro, especificação do veículo, carga do veículo, topografia real, experiência de direção do motorista, manutenção do veículo e condições climáticas.

Matérias relacionadas

Mais recentes

Destaques Mecânica Online

Avaliação MecOn