sexta-feira, 1 março , 2024
28 C
Recife

Elétricos vendem pouco, mas são o centro das atenções

Coluna Via Digital – Por Lucia Camargo Nunes* – Os carros elétricos representaram apenas 0,43% das vendas de veículos leves no país e somaram 8.458 unidades emplacadas em 2022.

Embora os volumes ainda sejam baixos, é importante considerar que os carros de emissão zero (e aí não estamos falando apenas de elétricos) representam o futuro da indústria e o que há de mais tecnológico em soluções ambientais, de segurança e conectividade.

Veículos movidos a hidrogênio e híbridos com etanol são soluções viáveis e também carregados de tecnologia de ponta, apesar de ainda direcionados a mercados específicos.

Além do alto preço dos 100% elétricos, outro entrave é a infraestrutura. Segundo estudo da consultoria Roland Berger, o Brasil está em 20º lugar no índice global que mostra a infraestrutura para receber modelos elétricos.

CEO da Stellantis diz que Brasil não precisa de elétricos – Enquanto a eletrificação é tema de eventos e estratégia de montadoras, o CEO do Grupo Stellantis, Carlos Tavares, jogou um banho de água ao afirmar ao jornal Valor Econômico que a tecnologia não faz sentido no Brasil.

“O elétrico não faz sentido se comparado com o carro que pode rodar com 100% de etanol”, segundo disse, apoiado em informações de cientistas. “Sem contar que é muito mais caro para a classe média”, emendou o executivo.

Nem por isso suas marcas – Fiat, Jeep, Ram, Peugeot e Citroën – ficam de fora. Ele afirmou que seus concorrentes vendem o elétrico com uma mensagem de modernidade, elegância e ecologia para pessoas ricas de áreas urbanas como segundo ou terceiro carro da família. E mesmo sendo um nicho de mercado, ele quer suas marcas competindo nele.

Tavares defendeu o uso do etanol, com grande produção no Brasil e uma tecnologia acessível. “Por que você desperdiçaria os recursos da sociedade em algo que não é melhor para o planeta?”, questionou.

Alíquota zero para elétricos – As discussões sobre a eletrificação estão aquecidas entre os players. Enquanto Stellantis, Volkswagen e Toyota defendem o uso do etanol em seus veículos hoje ou futuramente eletrificados, a Chevrolet abre mão dos híbridos com a intenção de saltar dos flex para os elétricos em 12 anos. A partir de 2035, a meta é vender apenas EVs, incluindo o Brasil.

A Anfavea, por sua vez, disse ser favorável ao fim da alíquota zero para importação dos elétricos. “Defendemos a produção local e para as montadoras investirem no país é preciso ter previsibilidade”, afirmou Marcio de Lima Leite, presidente da entidade, e que também é executivo da Stellantis. Carros vindos de outros países (exceto Argentina e México, que têm acordo bilateral) pagam 35% em imposto de importação.

“Queremos criar condições para fabricar elétricos no país. Não queremos inundar o mercado brasileiro com produtos de países de custo muito mais baixo”, disse Leite.

Se para o bom entendedor meias palavras bastam, o dirigente da Anfavea mira o avanço de marcas chinesas que pretendem aumentar no Brasil seus volumes de modelos elétricos pequenos e mais acessíveis.

Ao mesmo tempo, são essas mesmas asiáticas que investem na fabricação local de elétricos leves nos próximos anos – caso de GWM, Caoa Chery e, em breve, a BYD (esta, inclusive com a produção de baterias).

Vamos ao que interessa: do poço à roda – Se energia renovável e descarbonização fazem parte do repertório, é preciso discutir o conceito “Do poço à roda”, que traduz as emissões de gás carbônico vindos de todos os tipos de veículos – de térmicos a híbridos e até elétricos.

“Do poço à roda” refere-se a tudo o que um veículo consome desde sua produção, suas emissões e de onde vem a energia para fabricá-lo e movê-lo, envolvendo a extração de recursos naturais em todo o seu ciclo.
Ou seja, não se mede mais só o que o carro emite. Se 75% da matriz elétrica global vêm de fontes não renováveis, qual sentido faz então o investimento nos carros elétricos? Talvez isso deveria ter sido dito por Carlos Tavares.

A Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA) lançou uma cartilha que legitima esse conceito. “Precisamos mudar para trabalhar a medição do poço à roda, não do tanque à roda”, disse Everton Lopes, diretor de Tendências Tecnológicas da AEA.

No Brasil, 47% da matriz energética é renovável, comparado a 14% do resto do mundo. Por isso, para a AEA, o Brasil é líder em descarbonização. “Estamos à frente de países da Europa e da China”, afirmou Besaliel Botelho, presidente da entidade.

Abaixo, o gráfico do Ministério das Minas e Energia comparou as diferentes tecnologias e suas emissões de CO2, o que indica larga vantagem ao etanol.

Mão invisível e uma ajudinha do governo – O problema do chefe da Stellantis foi ser arrogante. As leis do mercado é que devem reger as preferências.

Se o etanol for uma boa solução, sustentável e viável, certamente as marcas do Grupo Stellantis e outras investirão nestas tecnologias. Mas outras opções são bem-vindas, desde que sejam acompanhadas de infraestrutura e respeito aos consumidores (principalmente no pós-venda).

Governos devem incentivar a entrada de novas tecnologias para fomentar a competitividade no Brasil e com isso, junto a legislações mais rígidas de emissões e segurança, melhorar a qualidade dos produtos.
Se não fossem leis e concorrentes importados, talvez ainda tivéssemos as carroças de outrora à venda nas concessionárias.

Evento vai discutir os elétricos – Nos dias 7 e 8 de março, Brasília (DF) será a sede do 1º Congresso da Mobilidade e Veículos Elétricos (C-Move), que contará com a presença da Toyota, GWM, Associação Brasileira dos Veículos Elétricos (ABVE), consultorias, autoridades e empresas ligadas à infraestrutura do setor.

Um estudo da McKinsey & Company será apresentado no evento com números ambiciosos. Entre eles, de que a frota brasileira de automóveis e comerciais leves elétricos deve atingir 11 milhões de unidades em 2040. Hoje, os elétricos representam 13,5 mil unidades.

“A estimativa é de que os elétricos respondam por 55% das vendas em 2040”, estima Daniele Nadalin, Senior Manager da McKinsey & Company, que será o responsável por apresentar a palestra em Brasília.

A pesquisa identificou que o brasileiro se mostra aberto a tecnologias de mobilidade que minimizem o impacto ambiental dos deslocamentos, já que 44% dos entrevistados buscam uma alternativa sustentável para seus trajetos (contra 33% da média mundial) e 24% se consideram entusiastas da mobilidade livre de emissões (18% na média mundial).

*Lucia Camargo Nunes é economista e jornalista especializada no setor automotivo, editora do portal www.viadigital.com.br e do canal @viadigitalmotors no YouTube. E-mail: lucia@viadigital.com.br

Matérias relacionadas

Mais recentes

Destaques Mecânica Online

Avaliação MecOn