Honda CBR 1000RR Fireblade e CBR 1000RR Fireblade SP recebem atualizações nos modelos 2019

O extenso trabalho de atualização realizado no modelo 2017 permitiu que, em linhas gerais, as Fireblade continuassem competitivas, atendendo plenamente ao anseio de seus consumidores, seja o cliente da CBR 1000RR Fireblade ou da versão mais elaborada, a CBR 1000RR Fireblade SP.

Um conjunto mais leve, um motor mais potente e elementos como as novas suspensões Showa 43mm Big Piston Fork e, na CBR 1000RR Fireblade SP, as mais sofisticadas Öhlins semi-ativas elevaram o patamar destas superesportivas Honda à um nível excepcional, preservado nas versões 2019, que receberam afinamentos significativos, especialmente no âmbito da eletrônica.

O sistema de controle eletrônico da Fireblade oferece vários recursos ativos.

Um deles, relacionado ao ABS, permite mitigar a tendência da roda traseira a perder contato com o solo em caso de frenagens muito fortes.

A informação de aceleração de dois eixos e a ajuda da Unidade de Medição Inercial (IMU) através de sensores de velocidade na roda dianteira e traseira faz com que o modulador do ABS ajuste a força de frenagem de acordo com o ângulo de inclinação.

Tanto a CBR 1000RR Fireblade quanto a CBR 1000RR Fireblade SP receberam uma alteração na versão 2019 que otimiza a ação do ABS em freadas extremas, reduzindo sua atuação e melhorando estabilidade e performance.

Novidade para 2019 em ambas Fireblade é o sistema Wheelie control atuar independentemente do HSTC.

Isso permite ao piloto escolher um grau de ação baixo do HSTC, para utilizar a derrapagem controlada como instrumento de performance.

Todavia, na versão anterior quando HSTC atuava em conjunto com o Weelie Control, na hipótese de deixar em grau baixo o HSTC implicava no levantamento exagerado da roda dianteira em aceleração, o que com a separação dos comandos não mais ocorre.

Como nas RC213V-S, a CBR 1000RR Fireblade se vale de painel de cristal líquido TFT colorido para informar ao motociclista.

São três os modos do painel: Street, Circuit e Mechanic – cada um com as informações mais relevantes para cada função específica.

Em Street os modos de pilotagem (1-3 e USER 1-2) mais as configurações de cada parâmetro – P (potência), T (HSTC) e EB (Freio de Motor Selecionável).

O modo Circuit acrescenta, além do modo Street, tempo, número de voltas e diferença da melhor volta.

O Mechanic exibe o tacômetro digital, a posição da engrenagem, o ângulo de aderência, a temperatura do líquido arrefecedor e a voltagem da bateria.

Quanto aos modos de pilotagem predefinidos eles são: Track (1), Winding (2) e Street (3) que oferecem diferentes combinações do HSTC, potência do motor e nível de freio motor.

O modo de pilotagem 1 (Track) dá potência total, com resposta linear do acelerador, baixa intervenção HSTC e EB.

O modo 2 (Winding) controla a saída da primeira para a terceira marcha, com um aumento de potência bastante moderado, HSTC médio e EB forte.

O modo 3 (Street) controla a saída da primeira à quarta marcha, com aumento de potência moderado, HSTC alto e EB forte.

Nos dois modos USER, todos os parâmetros podem ser combinados e ajustados livremente.

Os modos de pilotagem e o HSTC podem ser alterados durante a condução com o interruptor no punho esquerdo.

O indicador Shift-Up é uma linha horizontal de 5 LEDs brancos localizados na parte superior da tela; quando as velocidades do motor excedem as predefinições do usuário, elas passam de sólidas para intermitentes.

O monitor inclui velocímetro, tacômetro, posição de marcha, temperatura do líquido de arrefecimento, distância percorrida e dois medidores de percurso.

A separação do comando de anti-wheelie do comando do HSTC fez o painel ganhar um “W”, que ajusta o dispositivo em três níveis.

O computador de bordo calcula o consumo de combustível instantâneo e médio, o consumo de combustível, a velocidade média e o tempo decorrido após a última vez que o motor foi ligado, além do combustível restante após a reserva de luz e a distância que é possível percorrer até o tanque ficar vazio (quando selecionado).

Esta informação é mostrada na parte inferior da tela.

Na tela superior, no meio à direita, o piloto pode ver a velocidade de configuração do indicador Shift-Up, o ângulo de aderência, a voltagem da bateria, o calendário ou o texto definido pelo usuário.

Alternar entre os modos é controlado por uma tecla e, logo acima, há um interruptor para cima/baixo que gerencia e altera as informações exibidas em cada modo selecionado.

A Honda CBR 1000RR Fireblade e a CBR 1000RR Fireblade SP tem preços público sugeridos de R$ 71.390,00 e R$ 81.590,00 (base Estado de São Paulo).

As cores disponíveis são o vermelho para a CBR 1000RR Fireblade e vermelho para a CBR 1000RR Fireblade SP. A garantia é de três anos sem limite de quilometragem.

- Publicidade - Mercedes-Benz