sexta-feira, 23 fevereiro , 2024
28 C
Recife

Alto custo de fabricação de veículos elétricos no Reino Unido pode custar encerramento de operações

Problema potencialmente existencial enfrentado pela indústria automobilística britânica está intimamente ligado à mudança para os veículos elétricos. Reino Unido corre o risco de assistir o fechamento das fábricas de automóveis.

- Advertisement -

As fábricas de automóveis britânicas fecharão com a perda de milhares de empregos, a menos que o acordo do Brexit seja rapidamente renegociado, foi o que afirmou a Stellantis ao parlamento do Reino Unido, a última de uma série de advertências da indústria desde que o país deixou a União Europeia.

A terceira montadora mundial em vendas e proprietária de 14 marcas, incluindo Vauxhall, Peugeot, Citroën e Fiat, disse que, sob o acordo atual, enfrentaria tarifas ao exportar vans elétricas para a Europa a partir do ano que vem, quando regras pós-Brexit mais rígidas entrarão em vigor.

“Se o custo da fabricação de veículos elétricos (VE) no Reino Unido não for competitivo e insustentável, as operações serão encerradas”, disse a Stellantis durante apresentação a um comitê da Câmara dos Comuns que examina as perspectivas para a indústria britânica de veículos elétricos.

- Advertisement -

A Stellantis solicitou ao governo chegar a um acordo com a União Europeia sobre a extensão das regras atuais sobre o fornecimento de peças até 2027, em vez da mudança planejada para 2024.

Em resposta, um porta-voz do governo disse que o secretário de negócios havia levantado a questão com a UE.

“Observe este espaço, porque estamos muito focados em garantir que o Reino Unido obtenha VE e capacidade de fabricação”, disse o ministro das Finanças da Grã-Bretanha, Jeremy Hunt, em evento da British Chambers of Commerce.

- Advertisement -

O problema potencialmente existencial enfrentado pela indústria automobilística britânica está intimamente ligado à mudança para os veículos elétricos.

Sob o acordo comercial acordado quando a Grã-Bretanha deixou o bloco, 45% do valor de um VE vendido na União Europeia deve vir da Grã-Bretanha ou da UE a partir de 2024 para evitar tarifas.

O problema é que uma bateria pode representar até metade do custo de um novo VE. As baterias também são pesadas e caras para mover longas distâncias.

Especialistas alertam desde que a Grã-Bretanha deixou a UE no final de 2020 que o país precisaria de grandes fábricas de baterias de VEs ou potencialmente perderia uma grande parte de sua indústria automobilística.

Apenas a japonesa Nissan tem uma pequena fábrica de baterias para veículos elétricos em Sunderland, com uma segunda a caminho.

Custo da falha – A Britishvolt, uma startup que recebeu apoio do governo do Reino Unido para uma ambiciosa fábrica de baterias de 3,8 bilhões de libras (US$ 4,80 bilhões) em um local no norte da Inglaterra, entrou com pedido de administração em janeiro após lutar para levantar fundos.

A empresa foi então comprada pela australiana Recharge Industries, que ainda não divulgou os planos para o local.

Para salvar sua indústria automobilística, a Grã-Bretanha deve estender o prazo com a UE e atrair urgentemente fabricantes de baterias e outros fornecedores de automóveis para se estabelecerem aqui, disse Andy Palmer, ex-diretor de operações da Nissan, à rádio BBC.

“O custo do fracasso é muito claro. São 800.000 empregos no Reino Unido, que são basicamente os empregos associados à indústria automobilística”, disse Palmer, que também é presidente do conselho do fabricante europeu de baterias InoBat.

“Se você não tiver capacidade de bateria no Reino Unido, esses fabricantes de automóveis se mudarão para a Europa continental.”

O grupo comercial da Sociedade de Fabricantes e Comerciantes de Motores da Grã-Bretanha disse em uma apresentação ao parlamento que a atual capacidade de fabricação na UE e na Grã-Bretanha não permitiria que o setor atendesse aos requisitos para baterias e componentes.

Os alertas surgem quando as montadoras de todo o mundo está selecionando locais para construir novas fábricas de baterias.

Na semana passada, o diretor financeiro da Tata Motors, dona da Jaguar Land Rover, disse que não havia decidido um local para uma nova fábrica de baterias, mas negociações avançadas estavam em andamento.

A Reuters informou em fevereiro que a Tata estava considerando construir uma fábrica de baterias para veículos elétricos na Espanha ou na Grã-Bretanha.

A Stellantis anunciou um investimento de VE de 100 milhões de libras (US$ 126 milhões) em seu local de Ellesmere Port em 2021. Ela disse na apresentação que na época acreditava que poderia criar peças suficientes na Grã-Bretanha ou na Europa para atender às regras pós-Brexit, mas agora é incapaz de fazê-lo.

Matérias relacionadas

Mais recentes

Destaques Mecânica Online

Avaliação MecOn