O 911 original: a obra-prima de Zuffenhausen

No dia 27 de novembro, a oitava geração do Porsche 911 vai fazer a sua estreia mundial em Los Angeles – 55 anos após a apresentação do modelo 911 original.

Este é motivo suficiente para olhar para trás, para as anteriores sete gerações:

A lenda nasceu no Salão Automóvel de Frankfurt (IAA).

Em 12 de Setembro de 1963, a Porsche apresentou orgulhosamente o tão esperado sucessor do 356.

O novo automóvel esportivo, originalmente conhecido como 901, seguiu nos passos do sucesso.

Para refletir a ambição da marca, a Porsche participa agora numa liga mais elevada com o novo modelo: motor Boxer com seis cilindros ao invés de quatro cilindros, refrigeração a ar na melhor tradição da marca, mas desenvolvendo 130 cv.

Quando o novo modelo chegou ao mercado, em 1964, ganhou o nome 911 – resultado de uma discussão sobre os direitos de nome com o construtor de automóveis Peugeot.

O 911 foi rapidamente aceito como um Porsche “genuíno”, porque a performance do novo automóvel esportivo excedeu todas as expectativas.

E assim ficou preparado para uma carreira de sucesso inigualável.

A expansão da gama 911 continuou.

Em 1965, a Porsche respondeu de uma forma tipicamente pragmática a uma discussão nos EUA onde se colocava os conversíveis como perigosos: a marca lançou o 911 Targa como o primeiro “conversível seguro”, apresentando um arco de segurança com 20 centímetros de largura, teto removível e uma pequena capota traseira.

Isto ficou conhecido como “soft window”.

Seguiu-se uma janela traseira panorâmica com vidro aquecido.

O nome da variante conversível – “Targa” – nasceu a partir da corrida de resistência, Targa Florio, na Sicília, a qual a Porsche já tinha vencido por quatro vezes.

Em 1966, outro ícone de design fez a sua estreia mundial com o 911 S de 160 cv: a roda Fuchs.

Provavelmente a roda mais famosa na indústria automobilística, entrou num novo território em termos tecnológicos: ao ser forjada a partir de uma única peça, tornou-se muito mais leve.

Novas versões surgiram no outono de 1967: o 911 T, com 110 cv, encaixou-se na gama entre o modelo de topo, o 911 S e o 911 E – o sufixo “E” refere-se à injeção mecânica de combustível.

Isto tornou-se muito claro: com estas versões, a Porsche foi o primeiro fabricante de automóvel alemão a cumprir os restritos regulamentos de emissões dos EUA.

A melhoria contínua do Porsche de 2+2 lugares alcançou uma meta em meados de 1968: a partir do ano modelo 1969, a distância entre eixos da primeira geração do 911 cresceu 57 milímetros até aos 2.268 milímetros.

Inicialmente, isto deu ao automóvel esportivo de motor traseiro um comportamento mais tranquilo.

A era do motor de 2,0 litros terminou em 1969: mais quatro milímetros no diâmetro elevaram a cilindrada até aos 2.195 cm³.

Com o ano modelo 1972, a cilindrada cresceu ainda mais, até aos 2,4 litros, mas o automóvel esportivo agora capaz de utilizar gasolina comum.

A potência subiu dos 130 para os 190 cv no 911 S.

O 911 Carrera RS 2.7 tornou-se a sua própria lenda com a sua asa traseira “duck-tail”.

Este automóvel esportivo pesa apenas 1.000 quilogramas, desenvolve uma potência 210 cv e alcança uma velocidade máxima acima dos 245 km/h.

No total, saíram apenas 1.525 unidades da fábrica de Zuffenhausen.

Esta versão coroou a primeira geração do 911.

Foram produzidos um total de 111.995 911s originais entre 1963 e 1973.

- Publicidade - Mercedes-Benz