segunda-feira, 24 junho , 2024
28 C
Recife

Entenda o princípio básico da refrigeração

O princípio básico da refrigeração é bem simples: quando se deseja resfriar um corpo, deve-se colocá-lo em contato com um outro corpo mais frio ou deixá-lo em um meio com temperatura mais baixa.

- Publicidade -

Durante muitos anos, o gelo foi usado para a conservação de alimentos e para controlar a temperatura de alguns processos industriais.

Foi nesta época que foi criada a unidade de medida TR (tonelada de refrigeração) que equivale à quantidade de calor necessária para derreter 1 tonelada de gelo em 24 horas. Para exemplificar, quando dizemos que um equipamento tem capacidade de 10 TR´s, isto significa que ele corresponde a uma carga de 10 toneladas de gelo a cada 24 horas.

O gelo apresentava o enorme inconveniente de exigir reposição constante e ao derreter a água resultante precisava ser drenada.

No final do século 19 começaram a surgir os primeiros equipamentos operando em um ciclo termodinâmico contínuo de refrigeração.

- Publicidade -

Acionadas por um motor elétrico, as novas geladeiras tinham a vantagem de funcionar continuamente sem a intervenção do operador. Para entender o seu princípio básico precisamos entender que quando um líquido evapora, “absorve” calor do meio a sua volta.

É por isso que quando derramamos álcool em nossas mãos temos a impressão que ele está gelado, mesmo estando à temperatura ambiente.

Isso acontece porque ao entrar em contato com as mãos, o álcool evapora e “absorve” calor de nossa pele efetivamente reduzindo a sua temperatura superficial.

Os ciclos de refrigeração mais comuns utilizam esse princípio. Um fluxo contínuo de refrigerante na fase líquida – muitas vezes chamado de “gás” – circula no interior de uma serpentina (o evaporador) absorvendo calor ao evaporar.

O calor absorvido reduz a temperatura dos alimentos em uma geladeira ou da água em circulação no caso de uma unidade de água gelada (UMAG).

- Publicidade -

Para manter esse sistema em ciclo fechado, o refrigerante que evaporou e já está na fase gasosa deve ser levado novamente à forma líquida.

Para isso, o vapor é comprimido por um compressor e em seguida condensado para retornar à fase líquida.

Este processo que ocorre no condensador utiliza como fonte de “frio” o ar ambiente ou a água de uma torre de resfriamento.

Finalmente, o refrigerante líquido e quente passa por uma restrição (a válvula de expansão) na qual sua temperatura e pressão caem drasticamente. Aí o ciclo recomeça no evaporador.

Dessa forma, podemos dizer que uma UMAG funciona como uma “bomba de energia”, que retira calor da água ao passar pelo evaporador e rejeita esse calor para o ar ambiente ou para a água da torre de resfriamento no condensador.

A energia necessária para acionar o compressor é de 25% a 30% da energia útil absorvida, na forma de calor, da água. A primeira lei da termodinâmica exige que também essa energia deve ser rejeitada no condensador.

Em resumo, uma UMAG com capacidade de refrigeração de 30 kW, vai consumir cerca de 8 kW e rejeitar outros 38 kW no condensador, ou seja, toda energia que entra, sai.

Uma aplicação interessante do ciclo de refrigeração em sua forma invertida é quando se deseja aquecer a água de uma piscina.

No equipamento chamado de bomba de calor a água da piscina circula no condensador e o evaporador “resfria” o meio ambiente.

Nestas condições pode parecer surpreendente que com apenas 8 kW de energia elétrica tenhamos um efeito de aquecimento da piscina de 38 kW.

Vale lembrar que nos exemplos acima, por simplicidade, não levamos em consideração o consumo de outros componentes de uma UMAG tais como a bomba centrífuga e ventilador e que a eficiência volumétrica do compressor varia de acordo com as condições de operação do equipamento.

Matérias relacionadas

Clínica de Serviços Chevrolet

Mais recentes

Ofertas Peugeot 208

Destaques Mecânica Online

Powertrain do Futuro: Moldando a jornada para a mobilidade verde

Avaliação MecOn

SACHS - Versátil, abrangente e convincente