quinta-feira, 20 junho , 2024
28 C
Recife

Autopeças – é preciso separar o joio do trigo

Diferente do automóvel como um todo, onde o design possui forte apelo de venda fazendo a diferença na hora da compra, as autopeças utilizadas no reparo dos veículos não podem ser diferentes das originais

- Publicidade -

Quando compramos um automóvel, escolhemos o design, a cor, a potência e até mesmo os acessórios.

Porém, a maioria das pessoas não se preocupa com capôs, pára-lamas, pára-choques, faróis e retrovisores, componentes que, quando menos se espera, por envolvimento em acidentes ou até por desgaste, precisam ser trocados. E é justamente nessa hora que vem a grande dúvida: que tipo de peça escolher?

“Diferente do automóvel como um todo, onde o design possui forte apelo de venda fazendo a diferença na hora da compra, as autopeças utilizadas no reparo dos veículos não podem ser diferentes das originais”, explica Roberto Monteiro, diretor da ANFAPE – Associação Nacional dos Fabricantes de Autopeças. “Para evitar problemas em decorrência da pirataria que assola o setor, é importante que o consumidor compreenda algumas das diferenças”.

As peças legais, no sentido jurídico da palavra, são produzidas por empresas idôneas, tradicionais, pagadoras de tributos e geradoras de empregos formais.

- Publicidade -

Elas podem ser divididas em dois grupos: as que são usadas na linha de montagem das montadoras e também vendidas em suas redes de concessionários, as chamadas originais ou genuínas, e as que são produzidas por indústrias conhecidas como “independentes”, pois fornecem apenas para o mercado de reposição, sendo encontradas nas dezenas de milhares de lojas de autopeças, denominadas alternativas ou similares.

Todas possuem marcas próprias, procedência, garantias e qualidade. Os associados da ANFAPE fazem parte desse grupo.

Infelizmente o mercado está repleto de peças ilegais, que também podem ser divididas em dois grupos: as usadas provenientes de roubo e furto de veículos que alimentam a criminalidade e violência, muitas vezes fazendo do próprio comprador uma vítima, e as peças piratas ou falsificadas, vendidas no mercado utilizando marcas reconhecidas, enganando comerciantes e consumidores, gerando prejuízos aos reais detentores dessas marcas e colocando em risco a vida de pessoas. Geralmente são vendidas por preços bem abaixo do mercado.

“Para não ser enganado, procure sempre uma loja de confiança, informe-se sobre a garantia do produto, desconfie de preços que pareçam milagrosos e verifique a embalagem da peça antes de adquiri-la. Se não houver dados do fabricante/importador e as especificações técnicas do produto, não compre. Outra maneira de garantir seu direito de consumidor e ter certeza da procedência da peça é solicitar a nota fiscal”, finaliza Monteiro.

Matérias relacionadas

Clínica de Serviços Chevrolet

Mais recentes

Ofertas Peugeot 208

Destaques Mecânica Online

Fiat Toro

Avaliação MecOn

SACHS - Versátil, abrangente e convincente