Mercedes-Benz

McLaren Automotive comemora uma década de produção de supercarros

A McLaren Automotive está celebrando dez anos de sucesso na fabricação de automóveis de rua.

A história da marca começou em 1963, quando Bruce McLaren fundou sua fábrica de carros de corrida, e ganhou um novo capítulo em 2011, ano das primeiras entregas a clientes do McLaren 12C, o primeiro supercarro esporte da marca.

“A McLaren tem uma conexão muito forte com a história do Brasil na Fórmula 1 e um lugar especial no coração de muitos brasileiros porque Ayrton Senna conquistou seus três títulos mundiais ao volante de carros McLaren. Já sabíamos que haveria essa conexão emocional quando iniciamos as vendas de supercarros McLaren no Brasil em 2018. Ao longo desses anos, esse reconhecimento e essa identificação superaram nossas expectativas, com uma resposta muito positiva de nossos clientes.”
Henry Visconde, presidente da McLaren São Paulo e da UK Motors, importadora oficial da McLaren no Brasil

“Há muito para a McLaren Automotive comemorar no início desta segunda década. Continuamos a construir a história da McLaren ao mesmo tempo em que somos pioneiros em novas tecnologias e abraçamos totalmente a eletrificação. E que melhor maneira de comemorar do que com nossos carros em um circuito de corrida famoso e com proprietários da McLaren se juntando a nós para desfrutar da experiência. O fundador da McLaren, Bruce McLaren, é famoso por falar que a vida é medida em conquistas, não apenas em anos, e embora nosso aniversário de 10 anos seja um marco por si só, os carros surpreendentes que criamos desde 2011 são o que nos dá mais orgulho.” Mike Flewitt, CEO da McLaren Automotive.

A herança dos carros de rua da McLaren remonta a 1969, quando Bruce McLaren projetou e fabricou o M6GT de aparência futurista.

Sua morte prematura em um acidente durante um teste em 1970 no circuito de Goodwood interrompeu as ambições da McLaren nessa direção, mas ainda havia oportunidades claras fora do automobilismo.

Isso foi confirmado em 1993 com a chegada do McLaren F1, um carro que reescreveu o livro de regras com seu monocoque de fibra de carbono e assento do piloto em posição central.

Mas foi em 2009 que uma nova era foi anunciada com um supercarro totalmente novo, o 12C.

As entregas do McLaren 12C começaram em 2011, no novo Centro de Produção da McLaren em Woking, Surrey, Reino Unido, onde o supercarro – e todos os futuros carros de estrada da McLaren – foi montados à mão.

O Centro de Produção da McLaren foi inaugurado oficialmente no outono europeu (primavera no hemisfério sul) daquele ano. A McLaren Automotive agora estava totalmente equipada para atingir suas ambições de produção.

Os eventos de comemoração do aniversário da McLaren na Europa aconteceram nos autódromos de Goodwood, Silverstone (ambos na Inglaterra) e do Algarve, em Portugal.

Além das entradas de supercarros de luxo fabricados nos últimos 10 anos, esses eventos presentaram carros raros de propriedade de clientes, incluindo o McLaren Senna GTR, o McLaren P1 GTR e o McLaren 720S GT3X da McLaren Customer Racing – um carro de corrida GT3 sem restrições de regulamentos de competição.

O evento em Portugal também incluiu três rodadas da Pure McLaren GT Series, que introduziu muitos proprietários da McLaren em corridas de GT.

Em novembro, acontecerá mais um Pure McLaren Festival no Circuito das Américas, no Texas, Estados Unidos.

Na mesma ocasião, serão realizadas as três rodadas finais do Pure McLaren GT Series 2021 e estarão presentes muitos mais carros da McLaren Automotive no circuito onde acontece o Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1.

A linha 2021 de carros de passeio da McLaren inclui o GT, dois supercarros ‒ o McLaren Artura e o 720S (mais o 765LT, produzido em número limitado de 765 unidades) e o Elva.

Mais informações sobre esses modelos e os produzidos em anos anteriores podem ser encontradas em https://cars.mclaren.com.

Uma breve história da McLaren Automotive – O supercarro radical McLaren 12C, lançado em 2011, inaugurou uma nova era para um dos nomes mais famosos do automobilismo.

O lançamento do 12C e a inauguração em novembro do Centro de Produção da McLaren em Woking, Surrey, marcaram o início da McLaren Automotive.

Seguiu-se uma década de surpreendente inovação, evolução e conquistas, com o desenvolvimento e implementação de tecnologias inovadoras e múltiplos triunfos da engenharia em estradas e pistas – e, claro, o lançamento de supercarros e hipercarros de vanguarda.

A marca McLaren foi ideia do neozelandês Bruce McLaren, que passou a correr de automóveis na Europa em 1958 e começou sua própria fábrica e equipe de corrida, a Bruce McLaren Motor Racing Ltd, em 1963. Bruce projetou, projetou, construiu e pilotou carros que tiveram sucesso em muitas categorias, entre elas Fórmula 1, IndyCar, Can-Am e F2.

Poucos anos antes de sua morte prematura durante os testes em 1970, ele começou a se concentrar em uma nova direção: carros de rua.

O primeiro foi o leve e futurista M6GT de 1969. Projetado para atender aos regulamentos de homologação para as 24 Horas de Le Mans, também indicava um futuro na produção de carros de estrada da McLaren.

A morte de Bruce interrompeu as ambições da McLaren, mas os primeiros passos foram dados.

Mais de duas décadas depois, em 1993, o McLaren F1 reescreveu o livro de regras com seu monocoque de fibra de carbono e motorista em posição central.

O carro venceu as 24 Horas de Le Mans em sua primeira tentativa em 1995 e, mais de um quarto de século depois, continua incrivelmente desejável. Um exemplar imaculado e com baixa milhagem foi vendido em leilão em agosto de 2021 por mais de US$ 20 milhões.

Em 2003, surgiu um terceiro projeto de carro de estrada, o Mercedes-Benz SLR McLaren. Um grand tourer com motor dianteiro central que levou a tecnologia de chassi e carroceria de fibra de carbono um mercado de maior volume.

Sua chegada em 2003 foi o ímpeto para o futuro do novo carro de estrada da McLaren ‒ um futuro que foi anunciado em 2009 com a confirmação de um supercarro totalmente novo, o 12C, cujas primeiras unidades foram entregues a clientes em 2011.

Marcos automotivos da McLaren

McLaren 12C – Em 2009, a McLaren expôs sua ambição de forma inequívoca ao anunciar o 12C, um carro para “reescrever as regras do design de carros esportivos e refletir a posição da McLaren como líder absoluta em tecnologia e desempenho”.

Apesar das décadas de experiência em pistas e estradas, não havia nada de derivativo no carro. Todos os componentes, desde o motor V8 biturbo de 3,8 litros até o painel de comando da cabine, foram projetados do zero.

A estrutura MonoCell de fibra de carbono inteiriça proporcionou ao carro leveza, resistência, rigidez e longevidade, bem como desempenho estelar, ajudado por uma – relação peso-potência líder de sua classe.

O 12C se beneficiou da transferência de tecnologia da Fórmula 1 e de recursos humanos na forma dos então pilotos da McLaren, Lewis Hamilton e Jenson Button. Ambos desempenharam um papel importante no desenvolvimento do carro.

O 12C foi apresentado como o início de algo maior ‒ uma “linha de carros esportivos de alto desempenho da empresa de carros de corrida mais bem-sucedida do mundo”.

A versão conversível 12C Spider demonstrou a integridade da leve fibra de carbono MonoCell por não exigir nenhum reforço estrutural.

Antes mesmo de os primeiros carros de clientes entrarem em produção, a McLaren anunciou o 12C GT3, um carro de pista para ser executado por equipes de clientes. O carro alcançou 19 vitórias em toda a Europa em sua primeira temporada completa em 2012.

Centro de Produção McLaren (MPC) – Para construir o 12C e seus sucessores em um padrão exato, a McLaren precisava de um centro de produção exclusivo, “mais próximo em espírito de uma sala de operações do que de uma fábrica”.

Na primavera de 2010, foram lançadas as bases para o Centro de Produção McLaren (MPC) de 34.500 m², uma instalação que criaria até 800 novos empregos e seria capaz de produzir até 4.500 carros por ano.

O MPC estava localizado a sudeste do Centro de Tecnologia McLaren (MTC) em Woking, Reino Unido, e os dois prédios são conectados por uma passagem subterrânea. Assim como o MTC, esta nova instalação foi projetada pelos internacionalmente aclamados arquitetos Foster & Partners.

O edifício é ambientalmente otimizado, usando água da chuva para resfriamento, e construído em um layout linear de dois andares para espelhar exatamente o fluxo da linha de produção.

Do lado de fora, o MPC parece ser apenas uma unidade de um andar, minimizando seu impacto visual, com um segundo nível sendo localizado abaixo do galpão de produção e um mezanino acima dele.

Centenas de novas árvores foram plantadas, enquanto nenhum grão dos 180.000 metros quadrados de solo escavado foi removido do local ‒ tudo foi reaproveitado para paisagismo.

O cronograma de construção foi definido em apenas 12 meses, permitindo que a produção do 12C fosse rapidamente transferida do MTC para sua nova casa.

No outono de 2011, o MPC foi oficialmente inaugurado pelo então primeiro-ministro britânico, David Cameron. A McLaren Automotive agora estava totalmente equipada para cumprir suas ambições de produção no futuro.

McLaren Special Operations (MSO) – A McLaren Special Operations (MSO), divisão de personalização da McLaren, pôde traçar suas raízes no McLaren F1, tendo sido originalmente concebido como uma equipe altamente especializada para cuidar dos carros dos clientes.

A MSO cresceu exponencialmente para se tornar uma parte extremamente importante e valiosa da experiência da McLaren, trabalhando com clientes individuais para interpretar e realizar a visão única que cada um tem para seus carros.

O mantra da MSO é “a arte do possível”, um processo criativo e colaborativo que pode abranger todo um espectro de personalização, de uma pinça de freio de cor diferente a um carro totalmente personalizado.

O ponto de partida pode ser o MSO Defined, uma boutique de cores de tintas especiais, componentes de fibra de carbono, pacotes focados em desempenho ou luxo, ou detalhes personalizados, todos acessíveis através dos varejistas McLaren.

Além disso, o MSO Bespoke é um mergulho mais profundo em um mundo onde seu carro é quase literalmente sua tela, na qual sua especificação exata pode ser pintada, ajustada ou aplicada.

A MSO é particularmente exigente para os modelos Ultimate e Longtail, onde números limitados significam que literalmente cada carro pode ser único.

A equipe da MSO é especializada em inovar e desenvolver novos materiais, tratamentos, acabamentos de pintura e evoluções de design, muitas vezes testando em uma edição especial única uma técnica que pode transformar a produção futura.

Projetos tão variados como o Speedtail Albert (uma homenagem pintada de magnésio prateado ao primeiro McLaren F1), o impressionante Verdant GT com acabamento em caxemira, Elvas com decoração de corrida e o Coriolis Blue 720S tri-tone destacam o escopo do MSO.

O Sabre é um supercarro original da MSO altamente exclusivo, projetado para – e com – um punhado de clientes nos Estados Unidos.

McLaren Customer Racing – As corridas estão sempre no coração da McLaren – é uma parte do DNA que os clientes adotam ao comprar um carro de rua da marca.

A McLaren Customer Racing projeta, constrói e oferece suporte a carros de corrida GT3 e GT4 em campeonatos em todo o mundo.

A história do McLaren Customer Racing começou com o 12C GT3, continuou com o 650S GT3 e atualmente está sendo escrita com o 720S GT3.

Os pilotos da McLaren também tiveram um sucesso significativo no 570S GT4, um carro continuamente desenvolvido e atualizado pela McLaren Customer Racing e ainda desempenhando um papel fundamental na introdução dos pilotos da McLaren nas corridas GT através da Pure McLaren GT Series.

A McLaren Customer Racing também é responsável pelo desenvolvimento de produtos como o McLaren Senna GTR, e ajudou a criar duas versões dos carros de estrada da McLaren: o 620R, homologado para andar em vias públicas, o 720S GT3X, apenas para pista.

Ao mesmo tempo em que o 720S GT3 estava sendo desenvolvido, a McLaren Customer Racing inaugurou o Programa de Desenvolvimento de Pilotos (DDP), projetado para estimular jovens pilotos talentosos.

Vários passaram a fazer parte da equipe McLaren Factory GT Drivers, uma função que inclui o treinamento de pilotos amadores em eventos Pure McLaren, corridas de GT e desenvolvimento de carros de corrida e de estrada.

Ultimate – “O melhor carro do mundo na estrada e na pista”. Esta foi a missão que a McLaren empreendeu em 2013, resultando na criação de um carro tão avançado que reescreveu os princípios da propulsão de supercarros. Este foi o McLaren P1, o primeiro hipercarro híbrido do mundo. Alimentado por um sistema de transmissão híbrido gasolina-elétrico desenvolvendo 916 cv, ele implantou o preenchimento de torque para obter uma resposta do acelerador simplesmente impressionante. Com a ajuda de sua construção de carbono ultraleve e aerodinâmica de efeito de solo produzindo mais carga aerodinâmica do que qualquer carro de rua de produção em série, o P1 foi cintilantemente rápido na pista enquanto produzia apenas 200 g/km de CO2 de emissões. O P1 se tornou ainda mais radical em 2015 com o McLaren P1 GTR apenas para pista, nomeado em homenagem ao carro de corrida F1 GTR. Sendo verdadeiramente o supercarro “definitivo”, o P1 ganhou seu lugar como o pioneiro dos modelos Ultimate da McLaren, dos quais houve mais três modelos inovadores.

O McLaren Senna de 2018 foi anunciado como o melhor carro de corrida legalizado para estradas ‒ “legalizado para uso em estradas, mas não higienizado para se adequar a ela”.

Possuindo o sobrenome de Ayrton Senna, uma lenda da F1 que conquistou seus três títulos mundiais pela McLaren, o carro tinha que ser absolutamente sem compromisso.

E assim ficou provado: o design do carro foi implacavelmente otimizado aerodinamicamente, ajudando a gerar 800 kg de downforce, enquanto o novo chassi MonoCage III e o sistema de suspensão Race Active Chassis Control II permitiam tempos de volta inimagináveis.

O McLaren Senna GTR que se seguiu eliminou a necessidade de homologação de estrada, resultando no McLaren mais rápido em pista com exceção dos modelos de Fórmula 1.

O McLaren Speedtail, o primeiro “Hyper-GT” do mundo, foi revelado em 2019 como um carro que projetava o futuro com um aceno hábil para o passado.

Sua configuração de posição de direção central de três assentos e produção limitada a 106 unidades eram um tributo ao McLaren F1, enquanto a velocidade máxima de 402 km/h, o motor híbrido gasolina-elétrico e o formato futurista ultra-aerodinâmico o tornaram o mais rápido McLaren de sempre.

Tecnologia de ponta, como ailerons traseiros ativos patenteados, coberturas de roda de fibra de carbono e câmeras de espelho retrovisor, mais o uso de materiais requintados e avançados por dentro e por fora, marcam o Speedtail como uma fusão pioneira de desempenho, luxo e estilo.

Em contraste, o McLaren Elva foi o carro não híbrido mais leve e potente que a McLaren Automotive já fez – um roadster de dois lugares sem teto, janela ou mesmo pára-brisa (embora haja a opção de especificar um para-brisa na maior parte dos mercados).

O nome, o visual e o layout novamente homenagearam as glórias do passado, reconhecendo os carros esportivos McLaren-Elva projetados por Bruce McLaren da década de 1960, mas o novo Elva inovou.

Um sistema de gerenciamento de ar ativo verdadeiramente inovador elimina a necessidade de um pára-brisa, protegendo os ocupantes do fluxo de ar enquanto mantém uma conexão visceral com os elementos.

O design exclusivo do Elva confunde os limites entre a cabine do piloto e o mundo exterior para fornecer a destilação final da pura alegria de dirigir.

McLaren 570S – O ano de 2015 viu a introdução do 570S. Com tecnologias derivadas de corrida e desempenho de supercarro para um novo segmento do mercado, o 570S foi o primeiro de uma gama de modelos da Sports Series que abriu as portas para um novo perfil de cliente e ao mesmo tempo desafiou o status quo estabelecido dos carros esportivos.

O 570S, que mais tarde foi acompanhado na Sports Series pelos 540C, 570S Spider e 570GT, foi revolucionário pelo seu preço, com seu peso superando todos os rivais em até 150 kg em virtude de um chassi de fibra de carbono MonoCell II exclusivo.

Seu motor V8 biturbo de 3,8 litros entregava 570 cv. Era utilizável no dia-a-dia, prático e alcançável, mas permanecia totalmente focado no motorista, oferecendo envolvimento absoluto, agilidade, franqueza e desempenho.

O ponto foi reforçado pelo 570S GT4 de corrida, que gerou o 620R ‒ um verdadeiro carro de corrida para a estrada.

Os primeiros Longtail da Sports Series ‒ 600LT e 600LT Spider ‒ levaram a tão procurada submarca LT a um novo público. A McLaren parou de usar a designação Sports Series para carros novos no final de 2020.

McLaren 675LT – “Longtail” foi um nome informal dado ao McLaren F1 GTR que dominou o campeonato FIA GT de 1997.

Dezoito anos depois, em 2015, os princípios por trás desse carro – peso ultrabaixo, aerodinâmica aprimorada, desempenho extremo, dinâmica focada na pista e envolvimento absoluto do piloto – renasceram na edição limitada 675LT, derivado do 650S e com diversos aprimoramentos para diminuir o peso, aumentar o desempenho e aprimorar a aerodinâmica e o comportamento dinâmico.

A receita do Longtail se mostrou tão desejável que LT se tornou uma submarca da McLaren, com os 600LT (cupê e conversível) e, mais tarde, os 765LT.

McLaren 720S – A chegada do 720S em 2017 foi um verdadeiro momento de maioridade para a McLaren Automotive.

Após o 650S, esta foi a primeira vez que uma família inteira de produtos foi substituída ‒ e com uma nova interpretação da linguagem de design da McLaren, redesenhando princípios aerodinâmicos enquanto personifica o DNA de desempenho extremo da marca.

Completamente novo, o chassi MonoCage do 720S substituiu o MonoCell anterior. Desempenho e engajamento do piloto estavam em um novo nível.

O motor V8 biturbo, agora com 4 litros e 720 cv, alcançou economia e eficiência aprimoradas.

A introdução do Proactive Chassis Control II, com 12 sensores adicionais em comparação com o 650S, além de uma nova configuração de suspensão, proporcionou habilidades dinâmicas surpreendentes.

A nova e revolucionária interface do motorista da McLaren introduziu um Visor Dobrável do Motorista diretamente acima da coluna de direção.

O 720S ultrapassou todos os limites possíveis e ofereceu uma gama de habilidades sem precedentes.

O 720S Spider seguiu o cupê, transportando toda a experiência e adicionando uma nova dimensão com uma capota rígida retrátil que se abre em apenas 11 segundos.

McLaren Composites Technology Center (MCTC) – A McLaren foi pioneira no uso de fibra de carbono em carros de Fórmula 1 com o MP4/1 em 1981 e os carros de rua com a F1 em 1993, e a McLaren Automotive é a única montadora que pode dizer que todos os seus carros de rua foram construídos em torno de um núcleo de carbono.

Esta engenharia superleve ‒ e sua força, rigidez, leveza e longevidade ‒ é um princípio fundamental do negócio.

Em 2017, a empresa sublinhou a importância futura de materiais compósitos leves, como a fibra de carbono, anunciando sua intenção de construir uma nova unidade de produção de £ 50 milhões construída sob medida perto do campus do Centro de Pesquisa de Manufatura Avançada (AMRC) na Universidade de Sheffield.

O McLaren Composites Technology Center (MCTC) em Yorkshire, a 175 milhas de distância do MPC, é líder em inovação, desenvolvimento e construção de materiais compostos leves e arquiteturas para carros de passeio McLaren atuais e futuros.

A instalação de 7.000 metros quadrados, a segunda unidade de produção dedicada da McLaren e a primeira fora de Woking, criou até 200 empregos. A MCTC produziu seu primeiro chassi de teste em 2019.

McLaren Artura – O novo Artura é o primeiro supercarro híbrido de produção em série da McLaren. Lançado em 2021, o Artura representa todo o conhecimento e experiência da McLaren, combinando desempenho e dinâmica líderes da classe com capacidade de direção EV livre de emissões.

Ele tem um chassi MCLA superleve totalmente novo, construído na Grã-Bretanha, que incorpora uma arquitetura elétrica revolucionária baseada em ethernet, permitindo tecnologias avançadas de assistência ao motorista e atualizações Over-The-Air.

O novo trem de força Híbrido de Alto Desempenho (HPH) incorpora um V6 de 3 litros biturbo auxiliado por um motor elétrico compacto de fluxo axial de 95 CV.

Potência combinada de 680 cv e torque de 720 Nm por meio de uma nova caixa de câmbio de oito velocidades com o primeiro diferencial eletrônico da McLaren permitem uma aceleração de 0 a 100 km/h em 3,0 segundos.

Apesar do desafio de peso de carregar uma bateria, Artura é mais leve e mais potente que seus rivais não híbridos, mas ao mesmo tempo o McLaren mais eficiente e limpo de todos os tempos.

O novo Artura e o plano de negócios Horizon 2030 da McLaren que começa a acelerar demonstram o compromisso e a determinação da McLaren em continuar a fabricar supercarros de luxo tecnologicamente avançados, brilhantemente projetados e dinamicamente emocionantes para o futuro eletrificado que se desenvolverá na próxima década ‒ e irá além disso.

Equipe Mecânica Online®https://www.mecanicaonline.com.br
Um dos principais portais quando o assunto é mecânica na internet brasileira, o Mecânica Online® é feito por você! Através de nosso público procuramos cada vez mais oferecer um conteúdo que leve sempre o nosso principal objetivo: mecânica do jeito que você entende.
- Publicidade - Casa Scania

Notícias relacionadas

Mercedes-Benz

Cursos Mecânica Online

Oportunidade para você entender como o automóvel funciona, seus recursos e tecnologias. Participe de nossos cursos gratuitos!

Mais recentes

Mercedes-Benz
Cursos Mecânica Online®

Lançamento

Truck

Motocicleta

Avaliação