quarta-feira, 29 maio , 2024
28 C
Recife

Cilindro de GNV pode encher mais que sua capacidade?

Tem motorista que chega no posto para abastecer e sai de lá com o cilindro de GNV “mais cheio” do que a capacidade do próprio equipamento. Por exemplo, tem um cilindro de 15m³, mas o marcador mostra que abasteceu com 17m³ de gás. Mas isso é possível?

- Publicidade -

Conversamos com Thiago Martins, da Vector Gás Natural que explica se é ou não possível acontecer do cilindro de GNV encher mais que sua capacidade nominal.

A capacidade nominal de 16 metros cúbicos, por exemplo, é válida para uma determinada pressão de abastecimento num cilindro de GNV.

Qual é a pressão indicada nos cilindros para considerar esse volume? 220 kgf/cm2?

O abastecimento de um tanque de GNV em um automóvel cessa quando a pressão no tanque atinge um determinado valor. A pressão máxima permitida é de 220 kgf/cm2. Portanto, se o tanque é completamente preenchido isto significa que a pressão é a máxima que a bomba abastecedora determina.

- Publicidade -

Entretanto é bem sabido que a pressão de uma amostra gasosa contida em um dado volume (neste caso a capacidade real do tanque) depende da temperatura. Para o mesmo tanque, se a temperatura é mais alta, a mesma pressão será atingida com uma massa menor de gás estocado.

Quando o cilindro é abastecido é fácil notar que a sua temperatura se eleva (um toque de mão no cilindro recém abastecido revela que ele está a uma temperatura maior do que a temperatura ambiente). Portanto, após o abastecimento ele resfria e depois de algumas horas, mesmo que não tenha saído GNV do tanque, ele pode ser reabastecido pois a pressão baixou e caberá mais gás.

Da mesma forma se a temperatura ambiente é mais baixa, cabe mais massa de GNV no tanque para a mesma pressão de 220 kgf/cm2.

Cada dez graus célsius de decréscimo na temperatura de gás no tanque determina que possa ser introduzido cerca de 3% a mais de massa de GNV no tanque.

Um abastecimento com pressão superior a normalizada pode romper a válvula de segurança do cilindro e do redutor de pressão.

- Publicidade -

Quanto maior a pressão do gás, mais gás se comprime no cilindro. Quanto menor a pressão, menos gás.

Seguindo essa lógica, o ideal seria abastecer em um dia mais frio, com o carro ainda pouco aquecido e na pressão normatizada, que é de 200 kgf/cm2 (com tolerância de mais ou menos 10%).

Mas, na verdade, o mais provável é caber menos gás no cilindro de GNV do que a sua capacidade nominal devido a fatores, como:
a temperatura durante o enchimento;
o próprio aquecimento ocorrido durante o abastecimento;
a existência de resíduos de óleo dentro do cilindro, que ocupam espaço útil, diminuindo o volume inicial.

Como vimos, quanto maior a temperatura, menor a capacidade de compressão e armazenamento do GNV. O atrito molecular do gás proveniente da velocidade de enchimento também provoca aquecimento reduzindo assim a capacidade de armazenamento de gás no cilindro.

Reforçando que a ANP (Agência Nacional do Petróleo) regulamenta como pressão máxima de abastecimento do GNV o valor de 220 kgf/cm2.

Importante: alguns postos estão abastecendo com pressões superiores, o que é contrário à regulamentação e portanto é prática totalmente não recomendável e insegura.

Caso constate irregularidades no abastecimento GNV, você pode enviar denúncias anônimas para os orgãos fiscalizadores.

Matérias relacionadas

Fiat Fastback

Mais recentes

Ofertas Peugeot 208

Destaques Mecânica Online

Fiat Toro

Avaliação MecOn

WABCO - Principal fornecedor global de tecnologias para para veículos comerciais