quarta-feira, 24 julho , 2024
28 C
Recife

GP São Paulo de F1 terá coleta e rerrefino de óleo lubrificante usado pela primeira vez na história

Todo resíduo coletado passará pelo processo de rerrefino, cuja responsabilidade é da Lwart Soluções Ambientais, e voltará para a cadeia em forma de óleo básico de alta performance

O óleo lubrificante usado ou contaminado, conhecido como OLUC, é um resíduo perigoso presente em motores industriais e de automóveis que deve ser separado e gerenciado de forma adequada.

A legislação brasileira* determina que todo OLUC deve ser coletado e destinado para a reciclagem, por meio do rerrefino, e proíbe taxativamente o uso do resíduo como combustível, destinação para queima ou para quaisquer outros fins.

- Publicidade -

Quem está liderando esse projeto no GP São Paulo de F1 é a Lwart Soluções Ambientais, empresa 100% brasileira que tem a sustentabilidade em seu DNA, uma vez que coleta, destina e transforma diversos tipos de resíduos comerciais e industriais.

“Considero histórico o fato de a etapa de São Paulo da maior categoria do automobilismo projete para o mundo a mensagem de que o óleo lubrificante usado só deve ter um destino, o rerrefino. Vale lembrar que esse é um resíduo presente nos automóveis de passeio, por exemplo. Portanto, o consumidor também exerce um papel de fiscalização ao procurar saber qual o destino do óleo lubrificante retirado do seu carro. Mais do que cumprir a legislação é garantir a saúde das pessoas e do meio ambiente”, afirma Marcelo Murad, diretor de Coleta e Logística da Lwart Soluções Ambientais.

Para se ter uma ideia, segundo a AMBIOLUC, entidade que representa o setor, um único litro de óleo lubrificante usado é capaz de contaminar 1 milhão de litros de água.

- Publicidade -

Além disso, para cada 10 litros queimados são gerados 20 gramas de metais pesados, segundo dados da Cetesb.

Como funcionará no GP São Paulo de F1 – O projeto prevê a instalação de tambores dentro dos boxes das dez escuderias, para a coleta do óleo, durante todo o período da etapa brasileira.

Uma vez coletado e devidamente armazenado, o resíduo será transportado por um caminhão específico para esse tipo de transporte e levado à fábrica da Lwart localizada em Lençóis Paulista/SP, uma das plantas mais modernas do mundo para rerrefino de óleo lubrificante usado.

- Publicidade -

Com isso, o GP São Paulo de Fórmula 1 recebe o Certificado de Destinação Final, documento de valor legal que assegura a conformidade com as normas ambientais.

O processo de rerrefino e a geração de divisas para o Brasil – O óleo lubrificante é composto por uma grande parcela de óleo mineral, que recebe aditivos para melhoria do seu desempenho. Este óleo mineral presente na sua composição não se degrada durante o uso nas máquinas e motores.

E por isso é possível, por meio do processo de rerrefino, separar o óleo mineral contido no óleo lubrificante usado dos demais componentes, como água, aditivos degradados e outros tipos de óleo e combustíveis, recuperando-o incontáveis vezes.

O conjunto tecnológico de ponta presente na planta da Lwart permite que o rerrefino aproveite praticamente 100% do óleo lubrificante usado que entra no processo industrial.

Além de extrair o óleo básico mineral, o processo trata a água presente no resíduo e, ainda, transforma suas frações em subprodutos, como combustível gerador de calor para a própria planta, por exemplo, resultando em um processo ecoeficiente no qual nada se perde, toda matéria prima é aproveitada de alguma forma.

Geração de divisas. O rerrefino é responsável por evitar parte da importação desse do óleo mineral, garantindo uma economia de divisas ao País na ordem de US$ 300 milhões por ano, uma vez que o Brasil não é autossuficiente na produção de óleo básico mineral desse tipo.

O rerrefino responde por 18% da demanda nacional, algo em torno de 301 milhões de litros produzidos a partir desse segmento.

Outros 40% são produzidos pela Petrobrás, enquanto a maior parcela, de 42%, ainda é fruto de importação, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

“O Brasil é um exemplo para o mundo em termos de índices de coleta e rerrefino de óleo lubrificante usado. Estamos muito felizes e orgulhosos em levar para o GP São Paulo de F1 esse projeto, dentre tantos outros que a categoria realiza para mitigação do impacto ambiental”, conclui Marcelo Murad.

*Resolução Conama n. 362/2005 recepcionada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305/2010) e regulamento (Decreto Federal n. 7.404/2010)

Resoluções da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) n. 19 e 20, ambas de 2009 e Lei do Petróleo (Lei n. 9.478/1997).

Matérias relacionadas

Ofertas Peugeot 208

Mais recentes

Clínica de Serviços Chevrolet

Destaques Mecânica Online

Com a Volvo rumo ao Zero Acidentes – Itapemirim

Avaliação MecOn

FIAT na mão