sábado, 2 março , 2024
28 C
Recife

Mercedes-Benz 300 SL Coupé faz 70 anos

As portas de abertura para cima se tornaram um ícone no mundo automotivo. Modelo revolucionou o mercado com chassi tubular e motor de seis cilindros com injeção direta.

Em 6 de fevereiro de 1954, na abertura do Salão Internacional de Automóveis de Nova Iorque, EUA a Mercedes-Benz surpreendeu o público mundial com um modelo completamente inesperado. A marca apresentou um dos primeiros superesportivos: o 300 SL. Uma característica singular eram as portas com abertura em forma de asa de gaivota, únicas em um veículo de produção na época.

O design exterior do 300 SL remetia ao modelo competição de 1952, de mesmo nome, com o qual a marca fez um retorno brilhante ao automobilismo internacional. As vitórias obtidas nas tradicionais corridas de Mille Miglia, Le Mans, Carrera Panamericana estão presentes no DNA dos modelos de produção a partir de 1954.

As portas de abertura para cima foram inspiradas a partir da versão das pistas (W194). O 300 SL Coupé recebeu seu próprio número de série do modelo: W198. As portas em forma de “asa de gaivota” exigiram várias soluções específicas de design e construção. As molas montadas no topo eram discretas, mas essenciais. Elas facilitavam a abertura das portas e as mantinham na posição aberta – um recurso de conforto importante para a versão de produção. As molas estavam alojadas em elegantes tubos cromados.

As janelas basculantes do modelo de competição não podiam ser utilizadas. As janelas retangulares do 300 SL eram removíveis e podiam ser transportadas no porta-malas. Uma alavanca liberava o mecanismo de retenção. O suprimento de ar fresco era, portanto, “tudo ou nada”. Também havia pequenas janelas de quartos giratórias para auxiliar na ventilação.

Outra consequência das portas de asa de gaivota foi o design do volante – ele podia ser girado para baixo para permitir um acesso mais fácil às pernas ao compartimento para os pés. Uma pequena alavanca no cubo liberava e travava o volante. Apesar do volante basculante, entrar no Coupé não era exatamente uma simples tarefa. Isso mudou quando o modelo sucessor, o 300 SL Roadster, foi lançado em 1957. Essa variante conversível tinha portas com abertura “normal”. Para isso, a estrutura foi modificada e rebaixada nos pontos de entrada.

A maçaneta externa da porta era um detalhe atraente e funcional. Uma leve pressão fazia com que a alça se dobrasse para fora – onde um leve puxão fazia a porta se abrir de forma elegante e aerodinamicamente eficaz. Os modelos atuais da Mercedes-Benz revisitaram esse princípio: eles têm maçanetas de porta embutidas. Elas se estendem automaticamente assim que a chave do veículo está nas proximidades e se retraem novamente assim que o carro é travado ou sai.

O W198 tinha inúmeras outras características como por exemplo, a distribuição de peso quase ideal e o inovador motor de seis cilindros, que o tornaram um legítimo superesportivo. Foi o primeiro automóvel de produção em série do mundo a apresentar um motor de injeção de quatro tempos com injeção direta. Essa formação inovadora aumentou a potência do motor em cerca de 25%, dos 170 hp do modelo de competição para 215 hp. Isso proporcionou uma velocidade máxima de até 250 km/h – desempenho absolutamente extraordinário na metade da década de 1950. Outra novidade foi o design frontal com uma grande estrela central.

Os 300 SL “Asa de Gaivota” e Roadster atraíram clientes e fãs em todo o mundo. Foram produzidas 1.400 unidades do 300 SL Coupé entres os anos de 1954 a 1957 e 1.858 da versão Roadster.

Matérias relacionadas

Mais recentes

Destaques Mecânica Online

Avaliação MecOn