“A vida é medida em conquistas, não apenas em anos”

A McLaren rememora neste dia 2 de junho a vida e as conquistas de Bruce McLaren, que em 1963 fundou a Bruce McLaren Motor Racing Ltd, empresa que evoluiu por quase seis décadas para se tornar a McLaren de hoje.

2 de junho de 2020 marca meio século desde a morte do piloto e engenheiro pioneiro, morto em 1970 enquanto testava um de seus carros de corrida Can-Am no circuito de Goodwood, em West Sussex, Reino Unido.

Em homenagem ao pai, Amanda McLaren – embaixadora da marca McLaren Automotive – apresentou uma estátua em tamanho real de Bruce McLaren durante uma curta cerimônia privada no McLaren Technology Centre (MTC) em Woking, Surrey, Reino Unido.

Cinquenta velas acesas foram colocadas em torno de um McLaren M8D de 1970, exibido na sede da McLaren.

O “carro irmão” do M8D no qual Bruce McLaren morreu venceu o campeonato da série Can-Am de 1970 com o companheiro de equipe e compatriota Denny Hulme.

Esta foi a segunda vez que Hulme conquistou o campeonato, com o próprio McLaren recebendo as honras em 1967 e 1969. A equipe McLaren dominou as corridas da Can-Am de 1967 a 1971.

“É uma honra celebrar o 50º aniversário da morte de Bruce McLaren revelando esta estátua maravilhosamente trabalhada para comemorar sua vida e suas realizações. Quando meu pai morreu em junho de 1970, apenas 12 anos depois de se mudar da Nova Zelândia para o Reino Unido, ele já havia feito muito para realizar suas ambições, mas o melhor ainda estava por vir. As realizações da McLaren ao longo de mais de 50 anos na Fórmula 1, a vitória marcante nas 24 Horas de Le Mans de 1995 e os supercarros e hipercarros projetados, desenvolvidos e construídos sob a bandeira da McLaren permanecem como seu legado.

“O dia 2 de junho é sempre uma data emocional para nós, e isso é particularmente verdadeiro neste ano. Ter ‘papai’ olhando para a McLaren é incrivelmente emocionante e eu sei que ele ficaria muito orgulhoso das conquistas feitas em seu nome.”
Amanda McLaren, filha de Bruce, embaixadora da McLaren Automotive

A estátua de bronze de Bruce McLaren foi criada pelo pintor e escultor Paul Oz.

Globalmente reconhecido por sua arte inspirada no automobilismo, Oz foi contratado anteriormente pela McLaren Racing para produzir uma escultura de Ayrton Senna que também está no McLaren Technology Center.

Senna pilotou pela McLaren por seis anos, vencendo todos os seus três Campeonatos Mundiais de Fórmula 1 ao volante de uma McLaren em 1988, 1990 e 1991.

O próprio Bruce McLaren estreou a recém-formada equipe McLaren nas corridas de Grand Prix em 1966, competindo em Mônaco.

Ele também conquistou a primeira vitória da McLaren Grand Prix em 1968 no circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica. Esta foi a quarta vitória de Bruce na Fórmula 1 – as três anteriores foram conquistadas pela Cooper.

A equipe que ainda leva o nome conquistou 182 vitórias em GPs, 12 campeonatos de pilotos e 8 campeonatos de construtores, tornando-se a segunda equipe de maior sucesso na Fórmula 1.

A McLaren também tem três vitórias em Indianápolis 500 e, no início deste ano, voltou à IndyCar em tempo integral pela primeira vez em 40 anos.

O nome McLaren foi ainda cimentado na história automotiva com a introdução em 1992 do McLaren F1, o carro que, em sua versão de corrida, venceu as 24 Horas de Le Mans em 1995 na primeira tentativa.

A McLaren Automotive, hoje a maior parte do McLaren Group, foi formada em 2010 e produz um portfólio de modelos GT, supercarros e hipercarros de rua, bem como carros de competição nas classes GT4 e GT3 e equivalentes suportados pela McLaren Customer Racing.

Mais homenagens serão compartilhadas no site da McLaren hoje às 12:19 BST – a hora em que Bruce deixou o pitlane do circuito de Goodwood pela última vez na terça-feira, 2 de junho de 1970 – e pode ser encontrado em https://cars.mclaren.com / pt / latest / post / bruce-mclaren-50º aniversário.

- Publicidade - Mercedes-Benz