segunda-feira, 24 junho , 2024
28 C
Recife

Não espere a luz de alerta acender para verificar o óleo do motor

Poucos donos de carros sabem da gravidade que é esquecer de verificar o nível do óleo do motor.

- Publicidade -

Quando a luz de alerta no painel acende, o propulsor provavelmente já sofreu sérios desgastes. Para evitar surpresas e não prejudicar a conta bancária a solução é simples. Basta verificar periodicamente o nível do lubrificante.

O óleo serve para lubrificar, limpar e proteger o motor, além de ajudar na sua refrigeração.

Se a quantidade de lubrificante for menor ou maior do que a indicada pelo fabricante, sua utilidade será prejudicada.

Todas as varetas possuem duas marcas, uma com a palavra máximo e outra com mínimo. Se o nível estiver entre as marcas não é necessário acrescentar, mas deve-se tomar cuidado e repor o óleo se estiver muito próximo do mínimo.

- Publicidade -

Se houver menos óleo do que o necessário irá ocorrer superaquecimento do motor, formação de borra e oxidação acelerada do filtro.

Além disso, os dutos de sistema podem entupir ocasionando até a perda do propulsor pois ele vai ficar sem lubrificação, vindo a travar ou fundir.

Mas engana-se quem pensa que adiar a preocupação colocando mais lubrificante é a solução.

O excesso de óleo também é prejudicial porque o calor tende a dilatar o líquido forçando-o a sair por todas as frestas, como por exemplo, os anéis de segmento.

Esse vazamento faz com que o motor passe a queimar óleo, sujando e prejudicando o funcionamento das velas. Percebe-se que isso ocorreu quando o motor começa a falhar.

- Publicidade -

Qualquer motorista pode conferir o óleo, mas alguns cuidados devem ser tomados. Embora pareça tentador aproveitar a oferta do frentista e checar o nível no momento em que se vai abastecer, esse não é o momento mais recomendado.

O aconselhado é que o nível do lubrificante seja verificado com o motor frio pois o óleo ainda estará no depósito e o motorista não correrá o risco de se queimar.

Uma boa dica é criar o hábito de conferir o nível pela manhã, antes de ligar o motor, uma vez por semana.

Ao retirar a vareta é preciso limpa-la para só então realizar a leitura. Não deve-se limpar a vareta com uma estopa, pois ela solta fiapos.

O recomendado é utilizar papel ou pano. Quem preferir realizar o serviço nos postos deve ficar atento a possíveis golpes (não que os frentistas sejam desonestos, mas pode acontecer).

O golpe mais comum é o frentista colocar o dedo na vareta para evitar que ela vá até o fim do cárter e dizer que está na hora de repor.

TROCA – Também é preciso ficar atento a hora de trocar o óleo. O líquido velho forma uma borra no fundo do cárter provocando o entupimento do sistema e até travando o motor.

Por isso é importante ficar atento ao prazo estipulado pelo fabricante.

Alguns profissionais afirmam ainda que esses prazos estão muito longos, como em 20 mil quilômetros.

Eles aconselham a, no geral, realizar a troca a cada 10 mil quilômetros rodados.

Mas de nada adiantará trocar o óleo e não substituir o filtro do lubrificante, a dica é trocá-lo a cada duas trocas de óleo.

Matérias relacionadas

Clínica de Serviços Chevrolet

Mais recentes

Ofertas Peugeot 208

Destaques Mecânica Online

Powertrain do Futuro: Moldando a jornada para a mobilidade verde

Avaliação MecOn

SACHS - Versátil, abrangente e convincente